Redes Sociais

Especial | Como a NFL motivou o Snapchat a abrir seus números de engajamento

Tendo a ausência de segmentação e retorno como principais pontos negativos, aplicativo entrou na bolsa e abriu números de sua parceria com a liga

13 mar, 2017

A parceria de maior sucesso envolvendo uma rede social e o esporte é a do Snapchat (Snap) com a NFL. Apesar do sucesso de transmissão do Twitter com a própria liga, foi o aplicativo que intensificou a geração de conteúdos exclusivos para que o futebol-americano pudesse impactar a base jovem predominante na plataforma.

Porém, aos olhos dos anunciantes e de players da indústria, o Snapchat sempre deixou a desejar no quesito mensuração. Visualizações, engajamento, impressões, impactos, enfim, o aplicativo nunca abriu detalhes a esse respeito e fez com que seus “rivais” Facebook e Twitter ganhassem protagonismo por maior segurança dos profissionais ao receber das redes números detalhados. Porém, após o IPO (oferta pública de ações), o cenário tende a mudar.

Com a entrada do Snap Inc na bolsa nada mais natural que passar confiança aos potenciais acionistas divulgando dados de uma parceria de sucesso. Pensando nesta valorização, os seus proprietários abriram relevantes números a respeito da aliança com a NFL. De imediato, as ações registraram ganhos de 44% e levantou US$ 3.4 bilhões em sua estreia na Bolsa de Nova York. Como isso foi possível? Explicamos.

Na última temporada, foram 42 milhões de norte-americanos únicos impactados com os conteúdos gerados por ambos. Este número torna-se ainda mais impressionante se lembrarmos que até o ano passado os Estados Unidos representavam 61.7 milhões de usuários no Snapchat.

nfl-snapchat

Tendo iniciado a parceria em 2015 a partir do Draft, somente em 2016 a liga apostou em vídeos de bastidores através do Live Stories, oferecendo uma perspectiva diferente do que se é ofertado nas mídias tradicionais. Ainda em 2015, o conteúdo da NFL chegou a 31 milhões de espectadores únicos nos EUA. O crescimento de engajamento entre os últimos dois anos se dá pelo incremento de materiais disponibilizados pelo canal, como vídeos, artigos e programas especialmente criados para o aplicativo.

Se tão logo que a parceria com a NFL foi anunciada o Snapchat comercializava pacotes de patrocínio por US$ 225 mil, este valor está atualmente em US$ 5 milhões. Bud Light, Gatorade e Pepsi são apenas alguns dos seus parceiros para a modalidade. Com diferenciais em relação aos demais, a parceria foi renovada.

O Snapchat tornou-se público no início deste mês afirmando ter em sua base 160 milhões de usuários diários e US$ 400 milhões de receitas provenientes da venda de anúncios no último ano. Aos olhos das empresas, ainda é cedo para que o Snap dispute “ads” de igual para igual com o Facebook e Google, pelo menos até que as marcas consigam atingir de maneira precisa o seu público-alvo pelo app.