Indústria

Contra falsificação, Nike venderá seus produtos na Amazon

Este é mais um esforço da marca para tentar eliminar a distribuição/comercialização de produtos piratas feitos por terceiros

23 jun, 2017

Uma aliança agitou o varejo tradicional e esportivo nesta semana. A Nike anunciou uma parceria estratégica com a Amazon que se tornará a partir de agora um novo canal de vendas para a marca.

Pelo lado da gigante do esporte, o objetivo é eliminar a distribuição/comercialização de produtos piratas feitos por terceiros e utilizar uma gigante do mercado para (tentar) regulamentar o processo. Assim, o swoosh terá controle sobre como seus produtos são vendidos. Já a Amazon terá na parceria uma nova fonte de receita no mercado de vestuário e calçados, setores estes que darão um importantes impulso para a empresa avançar no segmento de roupas.

No passado, a Nike já vendia seus produtos através do e-commerce Zappos, da própria Amazon, mas nunca autorizou que a mesma o fizesse, diferentemente de Adidas e Under Armour, ambos com atuação no site.

A parceria com Amazon é parte de um processo de reestruturação colocado em prática pela Nike recentemente. Na semana passada, a empresa anunciou a demissão de 1.400 funcionários para aumentar seu foco em vendas diretas. Além disso, a marca divulgou seus mercados prioritários de atuação para o futuro. São eles: Nova York, Londres, Barcelona, Xangai, Pequim, Los Angeles, Tóquio, Paris, Berlim, Cidade do México, Seul e Milão. O objetivo é construir uma estrutura corporativa para impactar estas 12 cidades.