Indústria

O mercado de e-Sports em expansão no Brasil

6 out, 2017

A modalidade de competição profissional com games não é uma novidade, mas vem crescendo cada vez mais nos últimos anos com o surgimento de jogos de sucesso, dando origem ao explosivo fenômeno dos eSports – ou esportes eletrônicos.

Os primeiros registros da modalidade sendo praticada de maneira profissional se deram em alguns pontos da Ásia, como na Coréia do Sul, onde o eSport é reconhecido oficialmente desde 2000.  A Coréia do Sul, especificamente, possui um papel bastante especial na trajetória de popularização dos esportes eletrônicos. Enquanto as primeiras competições profissionais de eSports apareciam gradualmente ao redor do globo, os sul-coreanos já tinham uma estrutura completa de ligas, equipes com centros de treinamento, canais de televisão e órgãos governamentais voltados exclusivamente ao controle, fiscalização e incentivo à modalidade.

Com o passar dos anos, e ao passo em que foram emergindo diversos outros jogos de sucesso, novos grandes territórios foram dominados pelos eSports, como a América e a Europa. Culminando o interesse de patrocinadores do mercado eletrônico, o surgimento de novas tecnologias e um público competitivo sedento por inovação, os eSports se tornaram uma verdadeira “febre” no mundo.

As competições de jogos eletrônicos intrigam por subverterem completamente os conceitos do mercado existente: uma partida de videogame, a princípio, pode não se assemelhar tanto com uma partida tradicional de qualquer esporte. Enquanto os esportes desafiam o preparo físico do jogador, o videogame, enquanto alternativa tecnológica, coloca em xeque os limites e a agilidade sobre o joystick e o conhecimento estratégico dos jogadores. A competitividade, treinamento e todo o mais, porém, são elementos em comum entre os eSports e os esportes tradicionais.

22364914234_2dcc351e62_b

Ao redor do mundo, importantes canais esportivos já identificaram a popularidade dos eSports no meio do público jovem e apostam em programações alternativas focadas nos grandes campeonatos destas modalidades eletrônicas.

Embora já bastante popular, o mercado de eSports no Brasil ainda está em expansão. Atletas de outras modalidades com viés mental, como o poker, já começam a se interessar pelo mercado. Um bom exemplo é o envolvimento de dois profissionais brasileiros famosos no poker, André Akkari e Felipe Mojave, que deram aulas sobre estratégia para times de eSports.

Dada a grande exposição dos campeonatos nos últimos anos, a pesquisa Game Brasil 2017 buscou analisar a visão dos jogadores brasileiros sobre o fenômeno. A pesquisa concluiu que a maioria dos jogadores no Brasil nunca participou de um campeonato, ainda que muitos já tenham participado entre amigos e somente uma pequena parcela já tenha comparecido a grandes eventos, com organização oficial e premiação.

Um levantamento ainda mais recente, realizado pela consultoria Newzoo, indicou que o Brasil é o terceiro país do mundo com o maior número de entusiastas de eSports. Ao todo, 11,4 milhões de pessoas acompanham a modalidade com frequência, perdendo apenas para China e Estados Unidos. Este número representa quase metade do total de espectadores frequentes de eSports na América Latina, já que, na região, cerca de 23,7 milhões de pessoas assistem a eSports periodicamente.

A fórmula para que os eSports se tornassem um fenômeno mundial foi estratégica: jogos populares com competições que pagam grandes prêmios e jogadores que se tornam celebridades. Afinal, há até mesmo jogadores que conseguem visto de viagem para modalidades esportivas. Muitos torneios possuem transmissões ao vivo via Internet, etapas presenciais com milhares de pessoas na plateia e narradores oficiais. Com tudo isso, fica fácil entender os motivos que fizeram do eSport uma das modalidades de competição mais populares no mundo inteiro.