Indústria

Por maior foco no digital, Adidas diminuirá número de lojas físicas

Marca alemã espera dobrar o faturamento relativo às vendas on-line nos próximos dois anos

9 abr, 2018

A Adidas irá mudar sua estratégia de expansão para os próximos dois anos. Até 2020, a marca alemã espera diminuir o número de lojas físicas e dobrar o faturamento relativo às vendas on-line. Em 2017, esta fatia representou € 1.6 bilhão, 57% a mais do que no ano anterior. Para o curto prazo, a ideia é que o ambiente online alcance € 4 bilhões de faturamento.

A decisão segue uma tendência de outras marcas do setor, como a Nike, que fechou parcerias com Instagram e Amazon para a venda dos seus produtos através dos canais. Isso não quer dizer que a Adidas deixará de lado seus espaços físicos. Pelo contrário. Ela pretende melhorar o funcionamento das que ainda restarem em funcionamento.

“Com o tempo, teremos menos lojas físicas, mas elas serão melhores”, disse Kasper Rorsted, CEO da Adidas, em entrevista ao britânico Financial Times. Mesmo com a diminuição dos espaços físicos, o profissional deixou claro que as lojas não serão meras geradoras de receita como ocorreu na última década. O objetivo é que elas desempenhem um papel relevante para promover a imagem da marca.

No mercado norte-americano, por exemplo, o número de lojas da alemã vem sofrendo baixas nos últimos tempos. A Reebok, que pertence ao portfólio da Adidas, iniciou 2017 com 35 estabelecimentos no país. Ao final do ano, esse número havia caído praticamente pela metade. Ainda assim, a marca foi fundamental no balanço financeiro das três listras.

Atualmente, a Adidas possui cerca de 2.5 mil lojas oficiais e aproximadamente 13 mil franquias espalhadas pelo mundo. Naturalmente, o foco no digital afetará também o número de funcionários. A empresa planeja contratar 200 novos colaboradores e investir € 900 milhões em ações no online. No centro desta estratégia, o aplicativo lançado recentemente, que tem como diferencial um alto grau de personalização dos produtos.