Indústria

UEFA seguirá tendência e criará plataforma própria de streaming

Guy-Laurent Epstein, diretor de marketing da Uefa, deseja aumentar a visibilidade de torneios sem grande abrangência

14 set, 2018

A UEFA anunciou durante a semana uma novidade que será utilizada para aumentar a visibilidade de categorias que hoje não contam com a visibilidade do futebol masculino, como a categoria feminina e o futsal.

Segundo Guy-Laurent Epstein, diretor de marketing da Uefa, a entidade irá criar uma plataforma de streaming própria. A revelação foi feita em entrevista ao portal espanhol Palco23. De acordo com a publicação, a UEFA confia que as transmissões ao vivo de suas principais competições seguirão nas mãos das emissoras de televisão, já que ela são responsáveis por boa parte do faturamento.

“Vamos criar nosso próprio OTT (streaming) para complementar a TV paga. Ele ainda não está pronto, mas estamos construindo nossa própria plataforma OTT para realmente ir além do conteúdo atual”, afirmou o profissional.

“Nós não queremos competir com os canais de Tv, mas aproveitar a ampla oferta de conteúdo que temos, como resumos, jogos em delay, imagens dos bastidores e competições de futsal, futebol feminino e de categorias de base, cujas transmissões geralmente não têm a mesma visibilidade que os torneios masculinos. Além disso, serviria para ajudar as 55 federações que fazem parte da Uefa a aumentarem suas visibilidades”, completou Epstein.

Além disso, a UEFA busca cada vez mais se adaptar ao novo momento que vive a indústria do esporte, com players investindo pesado na compra dos direitos e os oferecendo através de plataformas digitais.

“A plataforma nos dará a possibilidade de falar diretamente com os fãs. É uma grande mudança na forma como construímos nossa comunidade. Trata-se de um mundo de oportunidades, mas também desafios em uma indústria de esporte/entretenimento em que há aumento da concorrência para capturar a atenção do público com ligas domésticas de outros esportes e novos serviços como Netflix. O panorama da mídia evoluiu muito e gera muitas oportunidades para estar sempre presente e ter conteúdo relevante para oferecer. Esporte é entretenimento e será cada vez mais”, revelou o executivo.

Por último, o foco em atender aos atuais patrocinadores e também potenciais parceiros. Para Epstein, com uma plataforma de streaming, há uma chance maior de atrair marcas interessadas em ligar seus nomes às competições da UEFA. Com a ausência de barreiras territoriais que apenas o digital oferece, há a possibilidade de impactar mercados estratégicos, como Estados Unidos e Ásia.

“Estamos interessados ​​em olhar mais para os Estados Unidos, obviamente, porque é um mercado muito importante. Nos próximos anos, o futebol irá desenvolver-se muito por lá pelo fato do país ser sede da Copa do Mundo que será disputada em 2026. Na Ásia, a diferença de fuso nos impede de aumentar o valor das transmissões ao vivo, por isso trabalharemos no aprimoramento dos resumos a serem consumidos pelos fãs, e a plataforma nos ajudará muito nesse objetivo”, finalizou.