Atletas

JR Smith tatua ‘Supreme’ na perna e pode ser multado pela NBA

A palavra em questão refere-se ao logotipo de uma marca de roupa do mesmo nome, o que fere as regras comerciais da liga

2 out, 2018

Conhecido por suas polêmicas fora das quadras, JR Smith aprontou mais uma. Desta vez, o jogador do Cleveland Cavaliers ganhou destaque na imprensa esportiva por ter feito mais uma tatuagem. Não, não se trata do ato em si, mas do desenho eternizado em sua pele. Acredite: ele tatuou ‘Supreme‘ na sua perna direita.

O problema é que a palavra em questão refere-se ao logotipo de uma marca de roupa do mesmo nome, algo que a NBA não autoriza. De acordo com as regras da liga, os atletas não podem explorar o corpo ou cabelo de maneira comercial. Por este motivo, o jogador poderá ser multado toda vez que entrar em quadra com a tatuagem exposta.

A NBA embasa seu posicionamento em obrigações firmadas em seus contratos de patrocínio. A liga norte-americana têm acordos com empresas que podem considerar a Supreme uma concorrente. Para não abrir exceções, nem mesmo a Nike (ou qualquer outra parceira da liga) poderá figurar no corpo ou cabelo de um atleta.




A tatuagem de JR fere até mesmo o acordo firmado entre a Associação Nacional de Jogadores de Basquete (NBPA) e a NBA, que determina que durante um jogo, nenhum dos envolvidos poderá fazer qualquer tipo de propaganda ou menção a um patrocinador pessoal.

Vale lembrar que em dezembro do ano passado, o camisa 5 do Cavaliers já mostrava afinidade com a Supreme ao exibir uma capa de compressão da empresa durante um jogo. Ele ainda protagonizou uma colab envolvendo a NIKE X SUPREME X NBA. Ainda assim, em sua defesa, apesar dos três casos citados, JR segue negando que seja patrocinado pela grife.

Em seu Instagram, ele ironizou a decisão de multá-lo sobrando até mesmo para a atual fornecedora de material esportivo da liga: Juro que sou a única pessoa a quem fazem coisas como estas. Tenho que cobrir minha tatuagem porquê? Não obrigam as outras pessoas a cobrirem os símbolos da Nike, Jordan ou todo o resto, mas como sou eu… é logo um problema.

Antes deste caso, a NBA registrou dois incidentes do tipo. Em 2001, o também polêmico Rasheed Wallace foi proibido de usar uma tatuagem temporária que promovia uma empresa de doces. Já em 2013, Iman Shumpert colocou o logotipo da Adidas em seu cabelo.