Indústria

Após conquista inédita na NBA, Toronto quer representante na WNBA

Daniel Escott e Max Abrahams, sócios da agência de publicidade New Media Group, estão à frente da ideia

26 jun, 2019

A conquista do primeiro título da NBA por uma equipe canadense, feito obtido pelo Toronto Raptors, pode fazer com que Toronto passar a ter um time também na WNBA, competição feminina da modalidade.

Daniel Escott e Max Abrahams, sócios da agência de publicidade New Media Group, estão à frente da ideia. Segundo eles, o negócio é uma chance de “inspirar uma nova geração de mulheres e crianças no esporte”. O projeto deverá ser apresentado à liga ainda no verão americano e não terá envolvimento do grupo responsável pelos Raptors.

“Embora não tenhamos experiência em construir uma franquia esportiva, temos experiência em iniciar vários negócios, nos cercar de ótimas pessoas e Dan e eu estudamos marketing, comunicação e marketing esportivo por algum tempo. Reunimos um excelente conselho consultivo completo com ex-atletas olímpicos, jogadores e líderes empresariais”, disse Escott.

Atualmente, quatro atletas representam o Canadá na WNBA. São elas: Natalie Achonwa (Indiana Fever), Bridget Carleton (Connecticut Sun), Kia Nurse e Nayo Raincock-Ekunwe (ambas do New York Liberty).

“Esta não é apenas uma oportunidade de negócio. Esta é uma oportunidade para inspirar uma nova geração de mulheres e meninas no esporte. Daqui a 20 anos, queremos traçar o sucesso dos melhores atletas do Canadá até o momento”, concluiu o profissional.

Cathy Engelbert, nova comissária da WNBA que assumirá o cargo em 17 de julho, deve analisar a proposta (caso receba, de fato) e iniciar o projeto de expansão da liga em seguida.