Patrocínio

Patrocinadores se posicionam sobre caso envolvendo Neymar

Das suas onze parceiras, Red Bull, Nike e Mastercard foram as primeiras a se manifestarem publicamente sobre o caso

4 jun, 2019

Acusado de estupro por uma mulher de 26 anos, Neymar passou a preocupar os seus patrocinadores, que já ligaram um alerta sobre a situação. Das suas onze parceiras comerciais, Red Bull, Nike e Mastercard foram as primeiras a se manifestarem publicamente sobre o caso. Em comum, elas disseram estar “preocupadas” com a situação e prometem monitorar o caso de perto.




A Nike usou o mesmo comunicado de quando Cristiano Ronaldo sofreu da mesma acusação: “Estamos profundamente preocupados com essas acusações e seguimos acompanhando de perto a situação”, comunicou a empresa. “Nós estamos cientes e preocupados com as sérias alegações. Continuaremos acompanhando a situação”, destacou a Mastercard em nota oficial.

Já a Red Bull, também em nota, deixou o caso para a Justiça: “O Neymar Jr. é um parceiro da Red Bull desde 2010. É de responsabilidade das autoridades públicas determinar os fatos reais por trás desta séria alegação”, afirmou a marca austríaca.

 

O caso, claro, não repercutiu bem entre os patrocinadores do atacante. Por contrato, se ele for condenado, os acordos de patrocínio poderão ser rompidos. Mesmo que ele seja absolvido da acusação de estupro, já que o próprio ex-advogado da mulher que acusa Neymar diz que ela havia relatado agressão, e não estupro, o crime cibernético poderá virar motivo para o fim dos aportes. O jogador foi intimado a depor pela divulgação de conversas íntimas entre ele a mulher. A exposição desse tipo de material é proibida, sem o consentimento da vítima.

Segundo o site oficial de Neymar, atualmente ele é patrocinado por onze marcas. São elas: Nike, Gilette, Red Bull, GaGà Milano, Beats, Replay, Mastercard, TCL, EA Sports, QNB e DAZN.