Patrocínio

Budweiser é a nova patrocinadora da liga de futebol feminino dos EUA

Cervejaria decide fazer patrocínio para ter comprometimento diário com modalidade

9 jul, 2019

Os EUA conquistaram a Copa do Mundo de Futebol Feminino pela quarta vez consecutiva. Agora, as atletas do país voltarão aos seus clubes e para a realidade de atuar muitas vezes em estádios vazios ou com pouquíssimos torcedores. Contra este cenário, o futebol feminino americano acaba de ganhar um aliado de peso: a Budweiser. Parceira das seleções americanas de futebol há trinta anos, a cervejaria anunciou um acordo de quatro temporadas com a liga nacional feminina (National Women’s Soccer League).

Pelo contrato, a marca dará nome ao torneio, aos playoffs, ao troféu de melhor jogadora (MVP) e ao recém-criado prêmio “Most Valuable Supporter“, que premia o fã mais engajado. Além disso, a Budweiser desenvolverá um programa fora da temporada onde as jogadoras passarão por um treinamento esportivo-empresarial com executivos da empresa.

“A Budweiser apoia a Seleção Nacional Feminina dos Estados Unidos há três décadas. Mas percebemos que há muito mais que podemos fazer. Tornar-se o patrocinador oficial da NWSL é nossa maneira de apoiar a equipe feminina norte-americana a cada quatro anos, mas também apoiar o futebol feminino todos os dias”, disse Monica Rustgi, vice-presidente de marketing da Budweiser.

“Estamos entusiasmados em embarcar em uma parceria de longo prazo com a Budweiser. Este apoio é significativo e amplificará a visibilidade e a influência da liga, nossos jogadores e apoiadores. Esse objetivo coletivo de promover o futebol feminino nos Estados Unidos só vai impulsionar ainda mais os esforços da NWSL, enquanto buscamos trazer a paixão pela Copa do Mundo de volta aos jogos da liga”, completou Amanda Duffy, presidente da NWSL.

No domingo (7), a Budweiser utilizou o The New York Times para fazer um pedido ao povo americano. Em um anúncio de página inteira no jornal, a cervejaria exaltou a presença da seleção na decisão da Copa e, principalmente, pediu que o país siga acompanhando o futebol feminino, seus clubes e atletas.