Streaming

HBO Max pode acirrar disputa por direitos de transmissão

29 jul, 2019
Eduardo Esteves

Criador do MKTEsportivo

Ver mais artigos deste autor

Desde que a AT&T e a Warner uniram forças para criar a WarnerMedia, muito se falou sobre a possível criação de uma plataforma para para fazer frente ao avanço da Netflix. Agora, com a proximidade do lançamento da HBO Max, fruto da fusão, o mercado esportivo poderá ver a chegada de um novo player para rivalizar com DAZN, Amazon Prime Video e Facebook.

Segundo o CEO da AT&T, Randall Stepherson, as parcerias de direitos com a Champions League, NBA, PGA, MLB e NCAA, por meio das redes de mídia da Turner, fará com que o serviço seja lançado já com esportes em seu portfólio. Ainda não se sabe, porém, se futuros direitos serão adquiridos.

“Você deve assumir que, em última análise, a HBO Max terá elementos ao vivo: esportes ao vivo e esportes premium. Esses serão elementos realmente importantes para a HBO Max”, disse Stephenson em uma teleconferência com analistas. O profissional também está confiante de que o pacote do Sunday Football, da NFL, permanecerá exclusivo para a AT&T. Desde abril, especulações dão conta que a liga deseja expandi-lo para o streaming. O DAZN surge como interessada.

Ao contrário do HBO Now e HBO Go, que só possuem conteúdo da HBO, o Max trará 10 mil horas de séries e filmes vindas das dez produtoras de conteúdo que fazem parte da companhia-mãe da Warner e da HBO, a AT&T.

“Temos um ótimo conteúdo exclusivo no The Bleacher Report, NBA e futebol europeu. Então, são muitas oportunidades para aproveitar as ofertas exclusivas de conteúdo que temos na WarnerMedia”, acrescentou o executivo.

A novidade chega em um momento que clubes de futebol da Europa estão apostando na criação de plataformas de streaming própria. Os casos recentes de Real Madrid e Manchester City, além da reformulação da Barça TV, do FC Barcelona, mostram que esta pode ser a nova revolução que os times trarão para o mercado.

O HBO Max tem lançamento previsto entre março e junho de 2020 nos EUA. Ainda não se sabe quando chegará no Brasil.