Atletas

Após denúncias de assédio, Antonio Brown perde patrocínio da Nike

A fabricante tem como costume colocar uma cláusula que quebra o contrato com o atleta que é condenado na Justiça

20 set, 2019

Após denúncias de agressão sexual, Antonio Brown, Wide Receiver do New England Patriots, acaba de perder o patrocínio da Nike. Nesta quinta-feira (19), um porta-voz da empresa declarou que “Antonio Brown não é um atleta da Nike”. Após as acusações realizadas pela ex-treinadora de Brown, Britney Taylor, o swoosh entendeu que não queria mais manter sua imagem vinculada ao atleta.

Através de seu agente, Drew Rosenhaus, a defesa de Antonio negou os atos descritos nas acusações e afirma que, na verdade, se trata de uma tentativa de extorqui-lo.

“Antonio Brown está ciente das alegações de estupro feitas por uma artista não identificada em um publicação recente da revista Sports Illustrated e nega ter realizado qualquer ato neste sentido”, disse o advogado de Brown, Darren Heitner.

Outra que não deseja ver sua imagem associada ao atleta é a Xenith, marca de luvas e capacetes de futebol americano. A empresa anunciou recentemente que encerrou sua parceria com o recebedor.

Recentemente, vazou um áudio de Antonio Brown onde ele confirmava que estava conseguindo um relevante acordo de patrocínio com a Nike, com uma diferença substancial em relação aos demais embaixadores.

“Estou conseguindo um grande acordo com a Nike, que está abrindo vantagem para muitos outros jogadores e futuros jogadores para entrar no mundo do marketing e ganhar dinheiro fora do campo”, disse à época.

Em fevereiro, a Nike lançou o modelo batizado de “Nike Tech Trainer Antonio Brown“, um mês antes do Pittsburgh Steelers trocá-lo com o Oakland Raiders. Por conta dos escândalos, o tênis já deixou o e-commerce da empresa, embora as camisas de ambas franquias com seu nome e número sigam disponíveis.

O caso está sendo investigado também pela NFL. O atleta poderá ser expulso da liga se vier a ser condenado.