Streaming

Estudo aponta que 4.5 milhões de britânicos transmitem ilegalmente a Premier League

Executivos da liga inglesa fecham cada vez mais o cerco contra a pirataria de produtos e transmissões

23 out, 2019

O MKTEsportivo revelou recentemente o tamanho do buraco que a pirataria deixa nos cofres dos clubes da Premier League. Não somente em produtos falsificados, mas também de transmissões, que prejudicam a mensuração dos resultados por parte das empresas patrocinadoras. Agora, um estudo apresentado pela plataforma de finanças Finder, mostrou que 9% dos britânicos admitiram ter transmitido ilegalmente ao menos um jogo da elite inglesa nos últimos 12 meses. O número representa 4.5 milhões de pessoas ao longo de uma única temporada.

Ainda segundo o levantamento, mais de 81% dos britânicos assinaram um serviço de streaming no ano passado, enquanto 17% admitem transmitir filmes, séries ou esportes ilegalmente no mesmo período.

“Isso significa que, de todos os que transmitem ilegalmente pelo Reino Unido, 24% assistem aos jogos da Premier League. Quando você olha para o número de pessoas que transmitem ilegalmente qualquer tipo de esporte, o número sobe para 44%, ou 16% para todos os britânicos”, destacou um porta-voz da Finder.

Enquanto homens (83%) e mulheres (81%) responderam que transmitiram conteúdo ao longo do ano passado, o público masculino tende a transmitir ilegalmente com mais frequência (25% x 17%). Sobre as regiões com maior índice de pirataria, os consumidores de Londres são os mais ativos na transmissão ilegal da Premier League (21%), seguido pelos escoceses (17%).

O estudo chega em um momento que os executivos da liga inglesa fecham cada vez mais o cerco contra a pirataria. Recentemente, a Premier League processou um varejista londrino por vender decodificadores que forneciam acesso irrestrito aos jogos. A liga atuou ao lado da Federation Against Copyright Theft (FACT) e da Polícia Metropolitana.