Indústria

Especial | Estudo aponta as marcas mais associadas ao esporte no Brasil

Pesquisa da Snapcart e Sport Track mostra Nike à frente da Adidas. Caixa se destaca entre as instituições financeiras

25 abr, 2018

Por Eduardo Esteves

 

Afinal, qual a modalidade mais praticada pelos brasileiros? E como anda o otimismo/pessimismo do torcedor em relação ao desempenho da Seleção na Copa do Mundo? Estas (e outras) perguntas foram respondidas nas duas primeiras partes do nosso especial sobre o atual cenário da indústria esportiva do Brasil. Hoje, fechando esta série de grande repercussão, traremos os dados colhidos pela Snapcart e Sport Track a respeito de marcas/empresas mais associadas ao esporte.

Ao ser indagado “Quando você pensa em esportes, qual ou quais marcas vem à sua cabeça?“, a Nike foi soberana. A norte-americana foi citada por 60% dos entrevistados contra 40% da Adidas. Ao todo, mais de 80 players apareceram espontaneamente no levantamento, com destaque para os de material esportivo. 

“Aprendemos que nesses rankings temos de separar marcas de material esportivo de marcas de mercado. Nessa linha, Nike e Adidas são como pragas do bem na mente dos consumidores. Elas sempre estão juntas nas primeiras posições. Resta ver o que vai acontecer nos próximos meses onde as duas travarão sua grande batalha de comunicação e visibilidade”, ponderou Rafael Plastina, diretor da Sport Track. A brasileira Olympikus, a alemã Puma e a japonesa Mizuno completam o TOP 5 das mais lembradas.

Entre as dez primeiras, somente uma não “veste” atletas: a Coca-Cola. A gigante do segmento de refrigerantes consegue espaço em um ranking que é amplamente dominado por marcas de material esportivo. Maior patrocinadora do futebol brasileiro, a Caixa aparece em 12º lugar, sendo a instituição financeira melhor colocada. 

“Continuidade é a palavra mágica em marketing esportivo. Sem ela não se constrói marca por meio do patrocínio, muito menos lembrança, conhecimento, desejo e compra. Nessa linha, Coca-Cola e Caixa estão de parabéns, pois lideram o ranking, fruto de investimentos de longuíssimo prazo no esporte”, analisou Plastina. O profissional ainda detalhou que a Caixa tem mais que o dobro da lembrança de Itaú e Bradesco, que tiveram um pico de investimento na Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas Rio 2016, respectivamente, mas pecam ao não darem continuidade de alto impacto.

Ao todo, o levantamento desenvolvido pela Snapcart e Sport Track entrevistou 10.800 pessoas, de 8 a 84 anos, ambos os sexos e todas as classes sociais, entre os dias 15 e 22 de março