Patrocínio

Por que o Tottenham ainda não vendeu o naming right do seu novo estádio?

Há dez anos, no início do projeto, clube já destacava a importância de inaugurar seu estádio com os direitos negociados

27 jul, 2018

Voltemos no tempo. 2008. O projeto do novo estádio do Tottenham ainda engatinhava e o seu presidente, Daniel Levy, já tratava sobre a importância da venda do seu naming right. Em 2017, transbordando otimismo, ele chegou a afirmar que “cerca de 300 empresas se mostraram interessadas pela categoria“. Pouco mais de um mês para sua inauguração, o patrocínio sequer foi negociado.

Ao custo de £ 850 milhões, até aqui, a moderna arena será inaugurada sob o nome de Tottenham Hotspur Stadium. Segundo especialistas britânicos, a insegurança e desaceleração da economia britânica fez com que um primeiro entrave tenha emergido: a longevidade do contrato. O Tottenham busca um acordo de, no mínimo, 10 anos, período absolutamente natural dada a necessidade de se trabalhar o longo prazo quando o assunto é naming right.

Por outro lado, há quem acredite que a pedida de Levy é que esteja afastando potenciais interessados. Especula-se que os Spurs buscam algo em torno de £ 20 milhões por temporada, valor que ficaria atrás somente do Etihad Stadium (Manchester City) e Emirates Stadium (Arsenal) na Inglaterra.




Limitando ainda mais o leque de potenciais interessados, o presidente já deixou claro que busca empresas B2C, declinando instituições financeiras e companhias B2B. Com menos força, a localização do estádio – mais distante do centro de Londres do que o Arsenal ou o Chelsea – e ser a casa da NFL na Inglaterra (sim, há uma corrente contrária) também são ventilados como possíveis barreiras.

Por outro lado, mesmo diante de um cenário de incertezas, o Tottenham tem deixado claro que a conclusão do estádio, que terá capacidade para 62 mil torcedores, não depende de forma alguma da receita vinda dos direitos de nomeação. O terceiro lugar na Premier League passada e a renovação do seu patrocinador máster até 2022, mantém o clube com uma saúde financeira estável.

Aos fatos: à exemplo do receio que vemos no Brasil, há um natural risco de desvalorização da pedida caso ele seja inaugurado com outro nome. Como sabemos, os patrocinadores preferem propriedades que ainda não foram batizadas. Como alento, há o case de sucesso da Juventus, que mesmo após seis anos de inauguração do Juventus Stadium, conseguiu fechar um acordo de naming right com a Allianz (Allianz Stadium).

A expectativa do Tottenham é abrir a porta de sua nova casa no clássico contra o Liverpool, marcado para o dia 15 de setembro. Até lá, estaremos de olho!