Indústria

Jogadores se unem contra jogos do campeonato espanhol na América do Norte

Os capitães de todos os 20 clubes da elite espanhola assinaram um comunicado condenando a decisão

23 ago, 2018

O projeto da LaLiga de mandar partidas na América do Norte não caiu bem entre os jogadores. Nesta semana, os capitães de todos os 20 clubes da elite espanhola assinaram um comunicado condenando a decisão.

Como o MKTEsportivo adiantou, a liga tinha como objetivo ganhar território nos Estados Unidos e, por este motivo, planejou levar clubes para disputar partidas válidas pela competição como uma maneira de internacionalizar sua marca. Inicialmente, a ideia era ter Barcelona x Real Betis em Miami.

Após uma reunião realizada em Madrid, os capitães das equipes afirmaram que lutarão contra a decisão e podem chegar ao extremo de entrar em greve entre setembro e outubro. Também através de uma nota oficial, o sindicato declarou não ter sido consultado sobre a decisão tomada por Javier Tebas, presidente da da LaLiga.

“Em relação ao acordo firmado por La Liga e a empresa Relevent, na qual é incluída a disputa de um jogo da temporada oficial nos Estados Unidos, a AFE demonstra o seu mais enérgico protesto. Em sua linha habitual, a La Liga prescinde da opinião dos jogadores e os comprometem com ações que beneficiam apenas a ela, sem se importar com a saúde e os riscos para os jogadores e muito menos o sentimento dos torcedores. O jogador não é moeda que se possa utilizar em negócios que beneficiam apenas uma terceira parte. Unidos, somos mais fortes”, destaca o comunicado.

A Federação de Acionistas e Sócios do Futebol Espanhol (FASFE) foi outra que prometeu lutar contra o novo acordo, classificado como “inadmissível” pela entidade que representa um setor importante dos torcedores espanhóis.

Haverá uma reunião em setembro entre os jogadores e Javier Tebas para decidir qual será o rumo deste projeto de internacionalização. Por enquanto, nada feito.