Coluna

Milésimo gol de Romário!

Fabio Wolff relata uma curiosa história de sua carreira envolvendo um dos grandes momentos do futebol brasileiro

4 set, 2018
Fábio Wolff
Sócio-diretor da Wolff Sports e professor no MBA de Gestão e Marketing Esportivo da Trevisan Escola de Negócios
Ver mais artigos deste autor

No início de 2007, fechamos um contrato de patrocínio pontual para duas partidas no uniforme do Americano, de Campos dos Goytacazes, no Estado do Rio de Janeiro, em jogos contra o Club de Regatas Vasco da Gama e o Fluminense Football Club, ambos com transmissão pela Rede Globo e válidos pelos Campeonato Carioca. Naquele momento, não sabíamos como o time em questão estaria no campeonato, muito menos a importância das respectivas partidas.

O Romário, então jogador do Vasco, um dos maiores atacantes que já vi jogar, estava em final de carreira e obcecado em busca do milésimo gol, já que um jogo antes da partida contra o Americano o baixinho fez o gol 999. Às vésperas da partida, estava no escritório quando recebi uma ligação de um profissional do Rio de Janeiro me oferecendo os espaços publicitários do uniforme do Americano, afinal, além de ser um jogo transmitido ao vivo pela Globo para o Rio de Janeiro e diversas outras praças do Brasil, o mesmo tinha grandes chances de entrar para a história.

Aquela ligação, preciso confessar, me deu certo frio na espinha, pois já havíamos comercializado os espaços no mesmo uniforme com dois clientes. Assim que desliguei, abri a gaveta para ter certeza de que a minha via do contrato estava lá e devidamente assinada.

Após me sentir aliviado, resolvi telefonar para o presidente do clube, a fim de entender o motivo por trás do mal-entendido. Mas, para a minha surpresa, ele me disse que quando fechamos o patrocínio, ele não sabia que o referido jogo poderia ser o do milésimo gol de Romário e que teríamos de conversar sobre essa situação. Resolvi esfriar a cabeça e mudar o pensamento. E não é que, à tarde, o Romário informou para a imprensa que não jogaria contra o Americano?

Esse episódio reforçou a orientação que sempre tive, de deixar sempre tudo formalizado, registrado, afinal, nunca se sabe quando um milésimo gol pode sair ou não.