Indústria

Para brecar transmissões piratas, LaLiga firma parceria com o Google

Liga espanhola atuará com a companhia para bloquear os resultados de pesquisa que listam serviços ilegais

12 set, 2018

Um dia após a anunciar a renovação de sua parceria global com a Microsoft, a La Liga se uniu ao Google em uma importante tentativa de proteger seus direitos de transmissão de sites de streaming ilegais.

A liga, que embolsará cerca de US$ 8.2 bilhões a partir dos contratos firmados com gigantes de mídia, está trabalhando com a companhia para bloquear os resultados de pesquisa que listam serviços piratas de Internet Protocol (IPTV), que têm a capacidade de transmitir jogos ao vivo para os quatro cantos do mundo.

Para tal, a La Liga não atuará em URLs individuais, mas irá cortar o conteúdo pirata em sua origem. Todas as fontes de transmissão que não estão vinculadas oficialmente ao torneio serão sinalizadas e removidas pelo Google.

Neste cenário, vale relembrar uma notícia destacada pelo MKTEsportivo sobre a pirataria envolvendo os jogos da Copa do Mundo deste ano. Em transmissões piratas, os duelos do Brasil na primeira fase do Mundial lideraram com folga. No entanto, o caso de maior destaque ocorreu com a rede de TV saudita BeoutQ, acusada de piratear o sinal de transmissão dos jogos do Mundial para o seu país de origem.

Como o país árabe e o Qatar não têm mais relações diplomáticas, a BeIn Sports, emissora do governo qatari e que transmitiria o Mundial para a Arábia Saudita, foi impedida de enviar o sinal dos jogos para a nação que disputou a primeira fase do torneio.

Importante destacar que tais práticas tomam grandes proporções já que, com o aumento da pirataria de sinal, é improvável que as emissoras continuem investindo bilhões em conteúdo que é facilmente redistribuído por plataformas de transmissão ilegais.