Indústria

Bilionário paquistanês desiste de comprar Wembley

Shahid Khan, dono do Fulham e do Jacksonville Jaguars, optou por retirar a oferta de £ 600 milhões

18 out, 2018

Shahid Khan, dono do Fulham, da Premier League, e do Jacksonville Jaguars, da NFL, não irá mais adquirir o lendário Wembley. O empresário optou por retirar a oferta de £ 600 milhões que havia feito pelo estádio.

Ainda que muito se especule sobre os motivos que o levaram a tomar a decisão, oficialmente, Khan divulgou que a falta de apoio dentro da Federação Inglesa de Futebol (FA) foi fundamental para sua negativa.

“Tenho sido claro publicamente, assim como em minhas conversas com o Conselho da FA, de que seria necessária uma parceria adequada, com o comprometimento total e entusiástico de todos os envolvidos. No entanto, parece que não há uma decisão definitiva sobre vender Wembley na federação e, consequentemente, minha proposta atual ganharia o apoio de apenas uma pequena maioria do Conselho, bem abaixo da margem conclusiva que o presidente da FA exigiu. Assim, infelizmente, concluímos que o resultado de uma votação na próxima semana não seria suficiente”, afirmou o empresário paquistanês naturalizado americano.

A imprensa britânica revelou que a maioria dos 127 conselheiros se mostraram preocupados com a possibilidade do icônico estádio inglês sair das mãos da federação e se transformar em uma propriedade privada. Uma das preocupações era a possibilidade de Khan transferir o Jaguars para Londres e transformar o estádio na casa de um time de futebol americano. Neste caso, o bilionário por diversas vezes negou a possibilidade de levar outra modalidade para Wembley.

 

Já a Federação Inglesa de Futebol se pronunciou durante a semana, tão logo Shahid Khan optou por retirar a oferta.

“O Estádio de Wembley é um local icônico que é reverenciado em todo o mundo e continuará a prosperar sob a posse e direção da FA. Tem havido muita deliberação em ambos os lados deste debate e, sem dúvida, tudo serviu para aumentar a conscientização de que as instalações comunitárias de futebol na Inglaterra precisam de investimentos significativos”, comentou Martin Glenn, presidente executivo da FA.

Apesar da desistência, Khan deixou espaço para uma futura reconsideração. No entanto, segundo ele, isso só poderia acontecer caso os conselheiros da FA mudem de pensamento e cheguem a um consenso unificado sobre a negociação.