Indústria

FIFA rejeita planos da LaLiga de mandar partidas nos Estados Unidos

O presidente Gianni Infantino afirmou que os jogos da liga devem ser disputados no seu território de origem

26 out, 2018

No que depender da FIFA, os planos de internacionalização da LaLiga com jogos na América do Norte não irão adiante. Em uma reunião da entidade realizada em Ruanda, o presidente Gianni Infantino afirmou que os jogos da liga devem ser disputados no país de origem.

“O conselho da FIFA discutiu esse assunto e a proposta para sediar um jogo oficial da LaLiga fora da Espanha, neste caso, em Miami”, disse Infantino. “O conselho enfatizou o princípio esportivo de que as partidas oficiais devem ser disputadas dentro do território da respectiva federação afiliada. Portanto, o conselho tem uma visão clara sobre isso”, completou. Em setembro, o presidente já havia criticado a ideia de levar um jogo do Campeonato Espanhol para os Estados Unidos. Em um comunicado, o mandatário deixou claro que preferiria ver um jogo da MLS nos EUA, ao invés da LaLiga estar no país.

A declaração do dirigente joga um balde de água fria nas pretensões do presidente da La Liga, Javier Tebas, que no mês passado disse estar “90% certo” de que o jogo entre FC Barcelona x Girona ocorreria na América. A La Liga, no entanto, deve apelar.

“Se recebermos uma notificação oficial da FIFA de que eles proíbem a partida, levaremos o caso à Corte de Arbitragem do Esporte com urgência”, disse um porta-voz da LFP.

Além da FIFA, a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) já havia enviado uma carta à LaLiga em que deixava claro que não autorizaria que a partida entre Girona e Barcelona fosse realizada em Miami. De acordo com o MARCA, a RFEF levantou alguns pontos sobre a decisão, entre eles, a dúvida sobre o consentimento ou não dos clubes e dos jogadores envolvidos na partida, além de um questionamento sobre obrigações assumidas anteriormente com os detentores dos direitos de televisão e patrocinadores.