Indústria

Liverpool estuda ampliação de Anfield e receber outras modalidades

Clube quer adicionar 6 mil novos lugares e elevar a capacidade de sua casa para 60 mil torcedores

16 out, 2018

O Liverpool considera cada vez mais a ideia de adicionar mais 6 mil lugares ao Anfield, mais especificamente ao setor Road End. Segundo o presidente-executivo do clube, Peter Moore, o objetivo é bater a marca de 60 mil lugares disponíveis em sua casa. Para tal, os Reds têm apenas onze meses para apresentar um plano detalhado de expansão e não prejudicar o seu atual planejamento.

Moore, por outro lado, afirmou que está estudando outras opções e debatendo se os planos precisam ser reformulados. “Estamos analisando uma série de opções para garantir que consideramos todos os aspectos antes de tomar qualquer decisão. Isso inclui opções de projeto, viabilidade, custo, capacidade e viabilidade econômica”, disse o dirigente em entrevista ao Liverpool Echo.

“Depois que o trabalho for concluído, e se houver uma opção de design mais inteligente que não se enquadre na permissão de planejamento atual, enviaremos outra ideia de planejamento. Só depois de concluirmos este processo abrangente e chegarmos a uma conclusão será o momento certo para avançar”, completou.

Vale lembrar que o Liverpool revitalizou o Main Stand de Anfield há dois anos para elevar a capacidade do estádio para 54.074 lugares. Esse projeto foi financiado com um empréstimo de £ 110 milhões da Fenway Sports Group, empresa dona do Liverpool, e rendeu ao clube mais £ 12 milhões durante o primeiro ano de operação.

Vale lembrar que há dois meses os Reds receberam uma negativa sobre sediar outra modalidades dentro do seu estádio além do futebol. O rugby era uma delas. O objetivo era preencher lacunas vazias do seu calendário na tentativa de aumentar as receitas durante a temporada.

Segundo a mídia local, em uma “decisão surpreendente”, a negativa se deu pela preocupação dos moradores com potenciais problemas com estacionamento, barulho e mau comportamento. A conselheira Adele Dowling, que votou contra a proposta, citou que estes problemas são recorrentes nos jogos do Liverpool em casa.