Patrocínio

Corinthians se posiciona sobre acordo com BMG e não crava valor base

Os R$ 12 milhões que constam na ata sequer foram citados pelo clube no comunicado

25 jan, 2019

Pouco depois de uma ata confirmar que o acordo entre o Banco BMG e o Corinthians renderá um fixo de R$ 12 milhões, diferentemente do que foi anunciado na coletiva de imprensa que oficializou o patrocínio, o clube emitiu uma nova oficial em seu site oficial.

Nele, destacado a seguir, o Timão reafirma que projeções conservadoras da participação nos lucros colocam os R$ 30 milhões deste primeiro ano de parceria como piso. O valor de R$ 12 milhões que consta na ata sequer foi citado. “A Diretoria do Clube sempre enfatizou que este era um contrato inovador, em que o Corinthians exigiu uma participação volumosa nos resultados da parceria e também uma colaboração importante no alívio da sua pressão de caixa”, relata parte da nota.




Durante o evento da última terça-feira, foi anunciado que o clube receberia um valor fixo de R$ 22 milhões, além de um pagamento mínimo de royalties de R$ 8 milhões anual pelo patrocínio. Desta maneira, o clube já teria recebido um adiantamento de R$ 30 milhões relativo a este ano. Por outro lado, para que esses números sejam alcançados, os serviços a serem lançados pelo banco com o Corinthians, como aplicativo, cartões de crédito consignados, caderneta de poupança e oferta de CDBs, precisarão gerar um faturamento bem elevado. Pelo contrato, o clube terá direito a 50% do lucro.

Portanto, para saltar dos R$ 12 milhões para R$ 30 milhões, a parceria teria que gerar um lucro de, no mínimo, R$ 36 milhões.

“O valor médio calculado da parceria é de R$ 42 milhões, e nós já recebemos R$ 30 milhões. São R$ 24 milhões de patrocínio, e R$ 6 milhões de luvas. Se não acontecer nada este ano, se não abrir uma única conta no aplicativo, ainda assim nós lucramos R$ 30 milhões. No ano que vem, a mesma coisa”, disse Matías Romano Ávila, diretor financeiro do clube, em entrevista ao portal UOL nesta manhã.

Além do BMG, o Corinthians possui outros cinco patrocinadores em seu uniforme. São eles: Poty (calção), Positivo (costas da camisa), PES (barra frontal da camisa), Joli Construção (barra traseira) e Universidade Brasil (ombro).

Confira, na íntegra, a nota divulgada pelo clube:

O Sport Club Corinthians Paulista esclarece sobre o contrato de parceria com o BMG, a partir da divulgação da ata da reunião do Conselho do Banco, que:

1.    Os valores detalhados do contrato, por normas gerenciais do Banco, como já havia declarado seu principal acionista na entrevista coletiva, deveriam ser mantidas em sigilo até a formalização de procedimentos internos.

2.    Consequentemente, o Clube sempre se limitou a declarar, quando perguntados sobre valores contratuais, o montante do adiantamento inicial, no valor de R$ 30 milhões, além da participação nos lucros. Tal valor foi efetivamente depositado na Tesouraria do Clube nesta semana.

3.    A Diretoria do Clube sempre enfatizou que este era um contrato inovador, em que o Corinthians exigiu uma participação volumosa nos resultados da parceria e também uma colaboração importante no alívio da sua pressão de caixa.

4.    A solução encontrada foi a ideal: conseguimos a participação em metade dos lucros gerados pela nossa base de torcedores nos próximos 5 anos e recebemos à vista o valor de que necessitávamos para completar o ciclo de contratações de jogadores. Como em qualquer negociação no mercado financeiro, quanto maior for a convicção do negociador no êxito da parceria, mais se exige de participação nos lucros e menos se luta por mínimos garantidos.

5.    As projeções conservadoras de resultado final da associação já no primeiro ano de contrato colocam 30 milhões como piso. Dada a adesão da Fiel nestes primeiros dias, abrindo contas e engajando-se em manifestações nas redes sociais, pôde-se prever que os resultados serão ainda melhores do que os projetados.

6.    Insistimos na tese de que este é o melhor contrato que já fizemos e o engajamento da Fiel abrindo contas na nossa plataforma comprovará esta verdade. Que outros clubes já estejam batendo às portas do Banco para assinar contratos semelhantes dá testemunho do mérito inovador desta parceria.