Indústria

NBA estuda levar jogos da temporada regular para Berlim e Paris

A liga pode ainda ampliar o número de jogos no velho continente, hoje limitado a apenas um por ano

18 jan, 2019

Enquanto busca se estabelecer no mercado indiano e chinês, a NBA destacou que Paris e Berlim estão na disputa para receber jogos da temporada regular como parte do processo de internacionalização.

A Arena O2, de Londres, sediou o seu último jogo da liga na noite de ontem (17), no duelo entre New York Knicks e Washington Wizards. O jogo anual da temporada regular na capital inglesa esgotou-se pelo nono ano consecutivo. Os 19 mil lugares colocados à venda foram adquiridos em apenas uma hora com por torcedores vindos de 39 países.

Sobre as partidas na França e Alemanha, Mark Tatum, o vice-comissário da NBA, disse que apesar da alta demanda vinda de Itália e Espanha, ambos países não têm arenas prontas para receber jogos da liga, diferentemente das capitais citadas.

“Tem havido muito interesse em equipes que querem ir a Paris porque a França é um foco de basquete”, disse Tatum à Reuters.

A AccorHotels Arena, em Paris, foi a última a receber um jogo de pré-temporada da NBA em 2010 e passou recentemente por reformas estruturais.

“Temos nove jogadores franceses na NBA neste momento. É apenas uma questão de criar o business correto e ter os parceiros certos nessas áreas. É um mercado importante para muitos dos nossos parceiros de marketing. É só uma questão de tempo. Já tivemos jogos em Paris antes e fizemos uma pausa porque eles precisaram renovar o ginásio. Agora, essas conversas foram atendidas”, completou o executivo.

Tatum ainda acrescenteu que há mais espaço para que o continente receba mais de um jogo da NBA, diferentemente do modelo que aplicado atualmente de apenas um duelo por ano.

“Teremos que descobrir qual é o número ideal, seja dois ou três. Não acho que exista um limite potencial, desde que faça sentido do ponto de vista comercial. Você divide um final de semana? Uma quinta e um jogo de sábado? Eurostar no meio disso? Então, estamos olhando para esses cenários. Mas muito disso é logística e preocupação com os jogadores e as viagens”, finalizou.