Indústria

Fifa cria joint venture e dividirá organização da Copa de 2022 com o Catar

Movimento fará com que a entidade tenha um controle ainda maior sobre a entrega de seu próprio torneio

6 fev, 2019

A Fifa e o Catar anunciaram a criação de uma joint venture que será responsável pelo planejamento e entrega da Copa do Mundo de 2022. Batizada de Fifa World Cup Qatar 2022 LLC, a entidade suíça ficará com 51% de sua propriedade, enquanto o restante será do comitê organizador local.

Em um comunicado, a Fifa alegou que a criação da joint venture (a primeira vez que ela firmou um relacionamento do tipo com um comitê organizador local) será fundamental para cumprir o objetivo da organização de “criar um modelo inovador que simplifique a entrega operacional da Copa do Mundo”.

Enquanto a joint venture estará focada na entrega do evento, o Supremo Comitê do Catar para Entrega e Legado continuará a gerenciar o desenvolvimento da nova infraestrutura, assim como os vários programas que visam o legado do Mundial.

O movimento dá à Fifa um controle maior sobre a entrega de seu próprio evento e pode abrir caminho para novas mudanças no seu formato. Neste ano, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, sugeriu que o Catar poderia “dividir” a Copa do Mundo com seus vizinhos para facilitar a expansão da competição para 48 equipes. .

De acordo com Colin Smith, diretor de torneios e eventos da Fifa, a criação de uma joint venture era necessária devido as “oportunidades e desafios” de planejar uma Copa do Mundo no Catar, embora ele acredite que a entidade europeia poderia criar empreendimentos semelhantes para futuros torneios.

“O crescimento contínuo e as complexidades de uma Copa do Mundo da Fifa e a necessidade de envolvimento integrado de todas as áreas-chave em um país anfitrião deixaram claro que é necessária uma estrutura operacional mais eficiente e otimizada”, disse Smith.

Além de Colin Smith, o conselho de administração da companhia será formado por dois vice-secretários-gerais da Fifa, Zvonimir Boban e Alasdair Bell; o chefe legal da entidade, Emilio Garcia Silvero; além do presidente do empreendimento, Hassan Al Thawadi, seu CEO, Nasser Al-Khater, o vice-presidente da Associação de Futebol do Catar, Saoud Al-Mohannadi, e Yasir Al Jamal, presidente do escritório operacional do Supremo Comitê do Catar para Entrega e Legado.

“O projeto da Copa do Mundo do Catar está entrando em sua fase final e estamos felizes por lançar esta nova organização e desenvolver coletivamente o melhor plano operacional para 2022. Em menos de quatro anos, vamos receber as equipes e mais de um milhão de torcedores no Catar. É o trabalho que fizermos agora que vai garantir que a experiência que vamos prover seja além do que jamais foi experimentado no torneio”, disse Al Khater.

Desta maneira, a Fifa espera minimizar os problemas de organização para a Copa do Mundo. Recentemente, a Anistia Internacional alertou o Catar de que “está ficando sem tempo” para implementar reformas trabalhistas que afetam os 30 mil imigrantes que trabalham na entrega da competição. O país foi acusado de abusos trabalhistas.