Indústria

Clubes europeus ratificam rejeição ao “novo’ Mundial de Clubes

Competição será organizada em junho e julho de 2021, ocupando a janela do calendário deixada pela Copa das Confederações

26 mar, 2019

A Assembleia Geral da Associação de Clubes Europeus (ECA, na sigla em inglês) realizada nesta terça-feira (26), em Amsterdã, serviu também para ratificar a decisão dos principais clubes do continente de boicotar o novo formato do Mundial de Clubes que está previsto para entrar em vigor em 2021.

A competição será organizada em junho e julho de 2021, ocupando a janela do calendário deixada pela Copa das Confederações, que será extinta. O local do torneio ainda não foi definido. Atualmente, a competição tem apenas sete clubes e é sempre disputado em dezembro. Sobre a divisão de participantes, será da seguinte maneira: oito clubes da Europa, seis da América do Sul e o restante dividido entre os demais continentes. Cada confederação continental terá os seus próprios critérios de classificação ao Mundial. As edições de 2019 e 2020 seguirão o modelo atual.

“Houve muitas discussões construtivas, com o presidente da Uefa. Estamos avançando nesse assunto. Temos a responsabilidade de tomar decisões, e tomamos a decisão, e nas próximas semanas essas discussões vão dar frutos. Hoje há clubes que representam mais do que uma cidade, um país. Há clubes que são internacionais, têm fãs por todos os lados. Será importante para eles tentar ser campeões mundiais”, disse Gianni Infantino, presidente da Fifa, há duas semanas.

O motivo principal para a recusa dos clubes seria uma agenda 100% preenchida para apresentar “um novo formato”, com muito mais jogos e datas do que o formato atual.

“Todos concordamos que a Copa do Mundo de Clubes poderia ter uma reformulação do formato, mas, como está sendo imaginado, não é muito satisfatória. Para nós, há um calendário congestionado, mas estaremos mais do que felizes em discutir as mudanças pós-2024”, disse Andrea Agnelli, presidente da ECA e também da Juventus.

O dirigente ainda citou o fato de a Fifa não ter dado nenhum tipo de informação de como os oito clubes europeus se classificarão para o torneio. A dúvida é fruto de três competições que estarão no calendário europeu a partir de 2024: a Champions League, Europa League e Europa League 2.

“Não entendo como poderíamos participar hoje, já que não há nada sobre acesso. Precisamos de mais detalhes antes de nos comprometermos com tal projeto. Somos nós que investimos em jogadores, infraestrutura, desenvolvimento de jovens. A ideia de uma competição como essa em escala global pode fazer sentido, mas a maneira como isso foi gerenciado é como gerenciar a loteria local do Dia de Ação de Graças. Uma janela foi bloqueada para montar uma competição para clubes de todo o mundo, mas isso é tudo que sabemos”, completou Agnelli.