Indústria

Figueirense quer ser o clube médio mais moderno e eficiente do país

Time acertou com a Softplan para efetivar a transformação de sua gestão

19 mar, 2019

A tecnologia entrou de vez na rotina do Figueirense e compõe o ambicioso plano da nova administração, iniciada há três meses: ser o clube médio mais moderno e eficiente do país. Para alcançar esse patamar nos próximos anos, a direção está reajustando os processos e rotinas dentro e fora de campo.

O passo mais recente foi o acerto com a Softplan, parceira nas soluções tecnológicas para efetivar a transformação da gestão do Alvinegro em um padrão moderno e integrado. Como resultado, decisões, gastos e investimentos mais eficientes e responsáveis.

Com a consultoria direcionada para identificar os pontos críticos, o Furacão caminha para a implantação do projeto “Figueirense Digital”, que incluirá sistemas estruturados em inteligência artificial.

“Nós precisamos ter um planejamento sobre a vida do jogador a partir do cruzamento de dados, como o atlético e técnico, até a relação financeira entre o seu custo e os resultados financeiros que ele pode proporcionar. Assim, será bom para ele, para o clube e, com certeza, para a torcida”, explicou o diretor de Planejamento e Relações Institucionais do clube, Murilo Flores.

“Todo mundo sabe do problema financeiro do Figueirense e do esforço que a diretoria está fazendo para resolver essa dificuldade. Mas não é só isso: precisamos modernizar a instituição. Temos muitos dados, mas precisamos transformá-los em informação gerencial”, acrescentou.

O 1Doc será o primeiro sistema integrado, pela Softplan, ao novo projeto. Tanto no estádio Orlando Scarpelli, quanto no Centro de Formação e Treinamento do Cambirela, a utilização facilitará a interligação dos setores a partir de rotinas totalmente digitais, que permitirão, consequentemente, o alcance da projetada eficiência operacional e financeira em curto e longo prazos.

Com a marca estampada na omoplata da camisa do Figueira, no clássico de domingo (17), contra o Avaí, na Ressacada, a empresa valoriza o acordo e reconhece os diferenciais inovadores do clube do Estreito para inaugurar sua atuação no mercado esportivo. “Promover a transformação digital, no Figueirense, é mostrar o que sabemos fazer de melhor, contribuir para a gestão da informação e aprimorar seu processo de tomada de decisão baseado em dados”, finalizou Guilherme Tossulino, diretor de Novos Negócios da Softplan.