Indústria

Santos FC faz ação para combater fake news contra vacinação

Jogadores entraram em campo com a manga do uniforme levantada e um curativo em um dos braços

2 dez, 2019

O Santos FC utilizou a partida contra a Chapecoense, no domingo (1), na Vila Belmiro, para fazer um importante alerta ao público sobre fake news envolvendo vacinação.

Visando incentivar a vacinação da população e combater a desinformação, os atletas entraram em campo com a manga do uniforme levantada e um curativo em um dos braços. Segundo o Peixe, a ideia é mostrar que, se até os jogadores podem se vacinar antes de um jogo de futebol, todos os jovens devem se vacinar sem medo de terem algum problema, perigo ou contra-indicação.

No mesmo dia, o telão da Vila Belmiro trouxe vídeos sobre o tema, além de anúncios de jornal, posts para as redes sociais do clube e spots de rádio. Em campo, a Chapecoense também fez coro e esteve com clube praiano na iniciativa.

Depois do surto de sarampo no Norte do Brasil em 2018, São Paulo se transformar no epicentro da doença este ano, que chegou da Europa e Ásia vinda pelo Porto de Santos. Já são 12.296 casos confirmados em 246 municípios do estado.

Em suas redes sociais, o Santos apresentou 11 importantes informações sobre a vacinação:

1) Pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, podem se vacinar;
2) Não é perigoso tomar várias vacinas de uma só vez;
3) Vacinas não causam autismo;
4) Higiene e saneamento ajudam a evitar doenças infecciosas, mas sozinhos não evitam a proliferação delas;
5) Os efeitos colaterais das vacinas tendem a ser leves e transitórios de modo que o impacto da doença é muito maior do que tais efeitos;
6) Algumas doenças preveníveis por vacinas não estão erradicadas e podem ressurgir se as pessoas deixarem de se vacinar;
7) O derivado do mercúrio usado em pequenas quantidades como conservante em algumas vacinas não causa nenhum problema à saúde;
8) A gripe pode causar complicações graves e a vacina precisa ser tomada anualmente;
9) Pessoas imunodeprimidas (como HIV ou em tratamento de câncer) podem receber alguns tipos de vacina. Procure SEMPRE um médico;
10) Vacinar ou não os filhos não é uma decisão dos pais. A vacinação é um direito da criança, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente;
11) Todo tipo de fé é válida, mas independentemente de religião, a vacinação é indispensável, não apenas para a sua saúde, mas para toda a nossa sociedade.