Indústria

NBA espera perda de “centenas de milhões de dólares” por crise com China

Transmissão do All-Star Game no país asiático teve veto ao nome da franquia

18 fev, 2020

Adam Silver, comissário da NBA, aproveitou o All-Star Game realizado no último final de semana para tratar de um assunto delicado para a liga. Segundo ele, estima-se que a liga perderá “centenas de milhões de dólares” devido às polêmicas envolvendo o Houston Rockets e a China. Apesar do cenário desfavorável, ele espera que as relações com o país “voltem à normalidade em breve”.

“Acho que a magnitude da perda será de centenas de milhões de dólares. Provavelmente menos de US$ 400 milhões”, disse Silver.

China pediu demissão de gerente do Houston Rockets

Chineses suspendem relação com Houston Rockets após tweet sobre Hong Kong

Como o boicote da China à NBA pode prejudicar os planos da Nike

Crise abala relação comercial da NBA com a China

Empresas chinesas suspendem acordos com a NBA

LeBron James se posiciona e reacende polêmica da NBA com a China

Na transmissão do evento, uma emissora chinesa vetou o nome da equipe na camisa de James Harden (imagem abaixo) que figurava no fundo do estúdio.

O executivo já havia admitido no ano passado que a NBA havia sofrido perdas “substanciais” devido ao tweet de Morey, embora seja a primeira vez que ele mencione um número. Silver também não deu um prazo para esperar que os jogos da NBA voltem à CCTV, deixando claro que era algo que a liga estava preparada para esperar.

“Minha opinião é que em breve haverá um retorno à normalidade, mas não sei dizer exatamente quando se trata de CFTV. Nós não estamos pressionando eles. É uma decisão que está fora de nosso controle, e eu direi que muitas vezes nem tenho certeza exatamente onde está essa decisão. Eu acho que nossa visão como liga é que devemos continuar fazendo as coisas que fizemos no passado”, finalizou.

Entenda o caso

Houston Rockets ficou no centro de uma polêmica sem precedentes após um tweet feito por Daryl Morey, gerente geral da franquia, prestando apoio à Hong Kong no seu movimento contra a influência do estado chinês na governança local. Em sua publicação, Morey divulgou uma imagem com os dizeres: “Fight for Freedom. Stand with Hong Kong” (‘Lute pela Liberdade. Fique com Hong Kong’, em tradução livre).

Rapidamente, patrocinadores e emissoras de Tv passaram a boicotar a franquia. A marca de roupas esportivas Li-Ning e o banco SPD Bank suspenderam suas comunicações com a franquia. Já a CCTV, emissora estatal chinesa, retirou os jogos do Rockets da sua programação. Por fim, a Tencent, parceira de direitos de mídia digital da NBA na China, removeu o time do seu pacote e ofereceu aos assinantes um acordo especial pela ausência.

Já na quarta-feira (9), o evento social NBA Cares que o Los Angeles Lakers realizaria em Shanghai foi cancelado pelos chineses. Um dia antes, o evento do Brooklyn Nets, que está no país para enfrentar a equipe de LeBron James, também não ocorreu por decisão governo chinês. Agora, resta saber se o encontro entre as franquias será realizado.

O conflito entre China e Hong Kong existe há muito tempo, mas se intensificou no nos últimos 20 anos. Hong Kong é considerado território chinês desde a época da China Imperial e busca sua independência desde o início do século XXI. Este ano, iniciou-se uma série de protestos nas ruas de Hong Kong e, desde então, o movimento vem se intensificando. O povo local alega falta de democracia do regime chinês e que buscam liberdade.