Coluna

O modelo comercial do Dortmund e o amadurecimento do patrocínio no futebol

21 fev, 2020
Eduardo Esteves

Diretor Executivo do MKTEsportivo

Ver mais artigos deste autor

Matéria de destaque no MKTEsportivo, o Borussia Dortmund saiu do lugar comum ao anunciar que terá um novo patrocinador máster que valerá apenas para os seus jogos da Bundesliga.  A partir da próxima temporada, o provedor de serviços de internet 1 & 1 figurará no espaço mais valioso da camisa do clube apenas na liga alemã. O acordo será válido até 2025.

Desta maneira, a Evonik, empresa de produtos químicos, seguirá no uniforme aurinegro para outras competições, incluindo a Europa League ou a Champions League, e a Copa da Alemanha (DFB Pokal).

Vale lembrar que a Evonik é a maior acionista do BVB, com 14.78% de participação. Ao aceitar o novo modelo proposto, ela espera que o clube melhore sua situação financeira e, consequentemente, a beneficie no mercado.

A estratégia de ter dois patrocinadores másteres não é pioneira na Europa. O Lyon, por exemplo, já a utiliza há quase uma década, tendo a montadora Hyundai como parceira para torneios nacionais, como o Campeonato Francês (Ligue 1) e a Copa da França, e a empresa de energia e tecnologia Veolia para competições continentais, como Champions League e Europa League.

Este modelo comercial é bem interessante e beneficia os cofres dos clubes. No entanto, a situação do time alemão me parece ser uma exceção. Por ser acionista, a Evonik tem interesse em ver seu ativo forte financeiramente. Mesmo que isso signifique menos exposição para ela.

Em um modelo similar, times como Liverpool e Manchester United têm patrocinadores distintos para o kit de treino e de jogo. A UEFA já negocia aportes distintos para torneios masculinos e femininos, mesmo todos no guarda-chuva de uma mesma entidade. Importantes passos para um amadurecimento da mentalidade do patrocínio no futebol.