Indústria

COI define quatro semanas como período para decidir sobre Jogos de Tóquio

Esta é a primeira vez que o comitê considera adiar o evento por conta da pandemia do coronavírus

23 mar, 2020

O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou, no domingo (22), um prazo de quatro semanas para decidir sobre o futuro dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020. Em comunicado, o conselho executivo do comitê informou que o cenário de pandemia do coronavírus vai atlerar os “planos operacionais existentes para o início dos Jogos Olímpicos no dia 24 de julho”.

De acordo com o COI, nas próximas quatro semanas serão estudadas possíveis alterações no cronograma dos Jogos, que poderão ser adiados para 2021 ou até mesmo acontecer ainda este ano.

“Por um lado, há melhorias significativas no Japão, onde as pessoas recebem calorosamente a chama olímpica. Isso poderia fortalecer a confiança do COI nos anfitriões japoneses de que o COI poderia, com certas restrições de segurança, organizar os Jogos Olímpicos no país, respeitando seu princípio de salvaguardar a saúde de todos os envolvidos. Por outro lado, há um aumento dramático de casos e novos surtos de Covid-19 em diferentes países e em diferentes continentes. Isso levou o conselho executivo à conclusão de que o COI precisa dar o próximo passo em seu planejamento de cenários”, destacou parte do comunicado.

No sábado (21), o Comitê Olímpico do Brasil (COB) já havia se posicionado publicamente, pedindo o adiamento dos Jogos para 2021. O mesmo aconteceu com outras entidades e atletas.

“Além do estudo de diferentes cenários, seria necessário o total comprometimento e cooperação do Comitê Organizador de Tóquio 2020 e das autoridades japonesas, e de todas as Federações Internacionais e Comitês Olímpicos Nacionais”, afirmou o COI, que cobrou “o comprometimento e a colaboração das empresas detentoras de direitos de transmissão e de patrocinadores” para poder tomar uma decisão.

“É nesse espírito de compromisso compartilhado das partes interessadas olímpicas com os Jogos Olímpicos, e diante da deterioração da situação mundial, que o conselho do COI iniciou hoje o próximo passo no planejamento de cenários do COI”, completou.

“As vidas humanas têm precedência sobre tudo, incluindo a realização dos Jogos. O COI quer fazer parte da solução. Portanto, tornamos nosso princípio principal proteger a saúde de todos os envolvidos e contribuir para conter o vírus. Desejo, e todos estamos trabalhando para isso, que a esperança que tantos atletas, NOCs e FIs dos cinco continentes tenham expressado seja cumprida: que no final desse túnel escuro que todos estamos passando juntos, sem saber por quanto tempo ficaremos, a chama olímpica será uma luz no fim deste túnel”, afirmou o presidente do COI, Thomas Bach.

Pra fechar, o COI afirmou ainda que “finalizará essas discussões nas próximas quatro semanas” e que “o cancelamento não está na agenda”.