Indústria

Startups crescem em meio ao efervescente mercado de Sportstech

Setor de tecnologias voltadas ao esporte deve chegar a US$ 30 bilhões até 2024

2 mar, 2020

O universo das startups com tecnologias aplicadas ao esporte nunca esteve tão em alta. Sua influência na forma como os atletas treinam e competem, e como os fãs se envolvem e consomem conteúdo, mostra como a inovação tem mudado silenciosamente a indústria esportiva há bons anos.

A efervescência do setor tem impulsionado seminários, estudos, investimentos e a chegada de players que desejam contribuir para a evolução deste mercado. Ainda que se trate de algo incipiente no país, o setor já demonstra grande capacidade de atração de investimentos por parte de executivos que tem como pilar central a inovação.

Neste cenário, encontram-se startups que se destacam por propostas democráticas e eficientes que visam o almejado desenvolvimento. A Tero, por exemplo, é uma plataforma que oferece a jogadores de futebol a possibilidade de conquistar uma vaga na modalidade, no Brasil e no mundo.

Com mais de 42 mil usuários cadastrados e com objetivo de chegar aos 500 mil até o final deste ano, a empresa tem o propósito de democratizar as contratações esportiva por meio da conexão entre todas as partes interessadas. Para Bruno Pessoa, cofundador e CEO da Tero, o grande desafio tem sido “driblar” a forma como o futebol é gerido no Brasil, com dirigentes de clubes não-remunerados e, assim, não deixando a inovação fluir.

Hoje, segundo dados da FIFA, o Brasil conta com aproximadamente 30 milhões de praticantes do esporte, sendo apenas 0.2% deles registrados ou jogando profissionalmente. Diante deste contexto, a Tero busca mudar a ineficiência do processo de seleção.

“Como uma espécie de LinkedIn do futebol, queremos conectar o jogador aos treinadores locais para termos ainda mais informações sobre quem é esse atleta, qual o nível dele e quais são suas ambições”, disse Pessoa.

Recentemente, a Tero recebeu um aporte de R$ 1 milhão em uma rodada de captação que contou com a participação de André Barros, fundador do Desimpedidos, além de empreendedores e investidores anjo ligados a empresas como WeWork, Biz Capital, QuintoAndar e Volanty.

Com tecnologia de ponta e um time forte, a empresa busca se firmar como a plataforma mais democrática do mercado esportivo, ciente do desafio que é trabalhar para o maior ecossistema de consumidores do mundo. Fiel ao seu objetivo, a Tero firmou uma parceria com a LaLiga para o garimpo de talentos para o reality show ‘Bravo!’, que contribuirá diretamente para o crescimento de sua base de jogadores e awareness.

“Queremos chegar onde outros modelos de negócios não chegam, como nas cidades pequenas, com pouca projeção”, completou o executivo.

Com estimativas que o setor de tecnologia do esporte chegará a US$ 30 bilhões até 2024, o cenário para crescer e investir em startups nunca esteve tão em alta.