Futebol

Após suspender pagamentos aos clubes, Globo se posiciona em nota

Emissora acredita que seja o momento de rever o modelo de negócios praticado no futebol brasileiro

3 abr, 2020

Com a informação de que a Globo suspendeu os pagamentos aos clubes e consequente perda da última grande receita das equipes, a emissora decidiu se posicionar após ser alvo de críticas de torcedores e algumas federações.

Neste estágio de total paralisação do calendário, a Globo acredita que seja o momento de rever o modelo de negócios praticado no mercado brasileiro. Ela ainda fez questão de destacar que esta “não é uma realidade exclusiva do Brasil e do futebol”. Além disso, ressaltou que os membros das Séries A e B do Campeonato Brasileiro, bem como da Copa Continental do Brasil, não tiveram os pagamentos suspensos.

No campeonato francês, três emissoras já suspenderam os seus investimentos, além do DAZN já ter informado que não irá pagar pelos direitos que não forem pro ar.

Abaixo, a nota da Rede Globo enviada à imprensa:

“A crise causada pela pandemia do Coronavirus19, que está provocando adiamentos e cancelamentos nos calendários esportivos, faz com que todos os elos que compõem a cadeia produtiva do futebol precisem analisar seus modelos de negócio e renegociar seus compromissos: clubes, federações, empresas de mídia, anunciantes e patrocinadores, entre outros parceiros. Esta não é uma realidade exclusiva do Brasil, e ocorre também em demais competições e modalidades esportivas ao redor do mundo.

Faz parte deste processo a decisão da Globo reavaliar o pagamento de futuros vencimentos – em alguns casos a última parcela – de competições que foram interrompidas ou adiadas, e que ainda não têm data nem formato para voltar a acontecer. Cada caso está sendo tratado segundo suas especificidades. A Globo até o momento vem mantendo o pagamento dos clubes participantes do campeonato brasileiro série A, série B e Copa do Brasil. No caso dos Estaduais, a Globo pagou em alguns contratos 100% e em outros 75% dos valores referentes a esses campeonatos, mesmo com a entrega efetiva de 55% a 65% dos jogos. Alguns pagamentos foram realizados já com as partidas suspensas e precisamos buscar entre todos uma solução de equilíbrio que depende agora de uma revisão completa do calendário anual do futebol brasileiro.

Estamos discutindo diariamente, de maneira transparente e serena, formas de atravessar esse período difícil com todos os parceiros – anunciantes, clubes, federações e CBF – e temos a convicção de que juntos vamos encontrar os melhores caminhos. Até lá, estamos empenhados em soluções criativas que têm assegurado outros tipos de apoio ao futebol brasileiro, com a exposição dos clubes em todas as nossas plataformas, grades de programação e coberturas. Como parceiros de mídia do esporte, temos total interesse em achar um caminho que garanta competições fortes, equilibradas e competitivas.”