Futebol

Pandemia faz futebol europeu planejar teto salarial a atletas

A Alemanha revelou que pedirá à Uefa que tome uma atitude a respeito do assunto. MLS é vista como modelo ideal

22 maio, 2020

A pandemia do coronavírus tem feito alguns países começaram a estudar a possibilidade de instaurar um teto salarial aos atletas.

Nesta semana, a Alemanha revelou que pedirá à Uefa que tome uma atitude a respeito do assunto. Em entrevista à revista Kicker, Fritz Keller, presidente da Federação Alemã de Futebol, afirmou que o modelo a ser seguido é o da Major League Soccer (MLS), dos Estados Unidos, que impõe limites salariais para cada time.

“Há salários absurdos que não são mais acessíveis. Temos que conversar sobre limites salariais, temos que ter um teto salarial para todos, para evitar um maior desastre financeiro. Vamos escrever uma carta ao presidente da Uefa, Aleksander Ceferin”, declarou Keller.

Na Inglaterra, a EFL – League One e a EFL – League Two, terceira e quarta divisões do futebol inglês, respectivamente, também desejam um limite nos salários como uma forma de tentar recuperar os times financeiramente após a pandemia. De acordo com o jornal “The Telegraph”, os clubes da terceira divisão poderiam gastar £ 2.5 milhões com salários, enquanto os da quarta divisão teriam £ 1.25 milhão.

Recentemente, o presidente da EFL, Rick Parry, afirmou que o futebol precisaria de um “reset pós-Covid” por conta do buraco de cerca de £ 200 milhões nas três ligas organizadas pela entidade. Nessas três, está incluída também a Championship, que é a segunda divisão do país.

Segundo a publicação, o plano da EFL ainda afirma que os clubes teriam perdas automáticas de pontos caso houvesse algum atraso nos pagamentos dos atletas.