Indústria

Strava apresenta estudo sobre bem-estar e motivação de atletas durante a pandemia

Pesquisa feita com a Universidade de Stanford mostra efeitos mental, psicológico e financeiro causados pela Covid-19 na comunidade esportiva

20 out, 2020

O Strava, a principal plataforma para atletas e a maior comunidade esportiva do mundo, anunciou nesta terça-feira (20) o lançamento do estudo “O Impacto da COVID-19 em atletas profissionais”. A pesquisa foi feita com 131 atletas de alto rendimento nos Estados Unidos e revelou os danos financeiros, pessoais e motivacionais causados pela pandemia do coronavírus na comunidade esportiva.

Enquanto o estudo revela mudanças no comportamento incluindo significativas alterações nos horários de treinos, o material também chama atenção para perseverança e resiliência da comunidade esportiva durante um dos períodos mais desafiadores do mundo moderno.

O estudo comprovou impactos significativos na saúde mental dos atletas. De acordo com a pesquisa, 1 em cada 5 esportistas relatou dificuldade em se exercitar relacionada à motivação. Antes das restrições impostas pela COVID-19, 3,9% dos atletas disseram se sentir para baixo mais da metade dos dias da semana. Esse número sobe para 22,5% durante as restrições do coronavírus, o que equivale a um aumento de 5,8 vezes. E quando o foco é o aspecto financeiro dos analisados, 71% dos atletas pesquisados se preocupam em receber uma compensação financeira por suas atividades durante o período de restrições pela COVID-19.

A pesquisa também analisou a rotina de treinos de cada um deles e chegou a conclusão que os hábitos sofreram alterações durante a pandemia: 31% dos atletas aumentaram a duração das sessões de treinos durante o período da pesquisa. Os dados de atividade do Strava indicaram que eles se exercitavam por 92 minutos por dia, em média, antes das restrições da COVID-19, e 103 minutos por dia durante o período de restrições.

Os atletas ainda reportaram que modificaram os treinos em grupo ou com um parceiro devido às restrições da pandemia. Antes da COVID-19, 91,2% dos esportistas treinavam com um parceiro pelo menos uma vez por semana. O mesmo dado cai para 68,9% durante a pandemia. Ainda sobre essas mudanças, a pesquisa mostra que 39,7% dos participantes treinavam em equipe pelo menos uma vez por semana no período pré-pandemia e durante as restrições apenas 11,6% continuaram com essa rotina. O que representa uma queda de 3,4 vezes.

“O estudo trouxe a clareza de que a COVID-19 teve amplas implicações na comunidade atlética, particularmente quando se trata de saúde mental. A parceria com o Strava nos possibilitou ter um entendimento holístico do que os profissionais estão passando. Combinado com a mudança do cenário esportivo, nós podemos entender melhor os impactos desses efeitos a longo prazo nos atletas e como conseguimos ajudar com possíveis intervenções”, disse a Dra. Megan Roche, pesquisadora clínica e candidata a doutoranda em epidemiologia na Universidade de Stanford.

“As descobertas desse estudo ajudarão a guiar nossa abordagem para maximizar a saúde dos atletas de elite em todo país durante esse período sem precedentes. Embora esteja incrivelmente impressionado com a coragem desses profissionais, agora temos claras evidências do dano que isso está causando em sua saúde mental. O estresse descontrolado pode diminuir a resposta imunológica do corpo, bem como prejudicar a capacidade de recuperação completa dos exercícios intensos. Precisamos fornecer recursos adicionais para ajudar os atletas a enfrentar esses desafios”, completou o autor, professor de Stanford e médico de medicina esportiva, Dr. Michael Fredericson.