Indústria

Autódromo do Rio é barrado por órgão ambiental

Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente do Rio (Inea) rejeitaram o pedido de licença ambiental prévia para a construção

20 nov, 2020

O projeto de um novo autódromo no Rio de Janeiro, tocado pela empresa Rio Motorsports, terá que ser construído em um novo local ou ser alterado. Técnicos do Instituto Estadual do Ambiente do Rio (Inea) rejeitaram o pedido de licença ambiental prévia para a construção. Agora, haverá uma nova análise, que será feita em seis meses. Esse novo estudo abrangerá também cinco novas localizações para o empreendimento.

O órgão também fez sugestões de novas localizações onde a construção não representaria um impacto ambiental significativo. Realengo, Santa Cruz, Gericinó, Campo Grande e o próprio Deodoro foram citados pelo comitê.

O local onde a Prefeitura do Rio pretende construir o autódromo fica no último ponto remanescente de mata atlântica plana na cidade. Segundo especialistas, em caso de chuva, toda a região poderá sofrer muito mais sem a floresta.

“A empresa está convicta de que o empreendimento trará não só benefícios econômicos para o município como contribuirá para o resgaste esportivo e turístico da cidade”, afirmou a Rio Motorpark, que ganhou a licitação do Autódromo.