Indústria

Com Bundesliga e Ligue 1, Brasil ratifica posição de maior mercado do OneFootball

Com transmissões gratuitas, aplicativo amplia cobertura de torneios e vira protagonista no mercado brasileiro

30 nov, 2020

O OneFootball terminará 2020 como o grande protagonista da indústria do esporte no Brasil no que tange conteúdo. Em um curto espaço de tempo, o aplicativo de origem alemã fechou acordos para transmitir, gratuitamente, a Bundesliga e Ligue 1 para o Brasil.

O MKTEsportivoCast desta semana recebeu Joana Bueno, editora-chefe da redação brasileira do OneFootball, que detalhou o inovador modelo que a empresa é pioneira, que busca solidificar a presença da companhia no mercado e que impacta diretamente uma nova geração de fãs de futebol com conteúdo ao vivo personalizado. Neste sentido, o aumento do investimento na divisão brasileira foi algo natural.

“O Brasil é o maior mercado do Onefootball. E isso é fácil de entender. É um país muito grande e quase todo mundo ama futebol. Temos redação em seis línguas diferentes e o aplicativo está disponível em mais de 200 países. São 11 milhões de usuários ativos por temporada e 2.5 a 2.9 milhões de usuários mensais. Agora temos duas das TOP 5 ligas do mundo. O Brasil se tornou também o mercado preferencial em todos os aspectos”, contou Joana, completando que a empresa ainda tem um campo de crescimento muito grande no país.

Segundo a profissional, o OneFootball, que cobre diariamente mais de 100 ligas e competições internacionais, tem como objetivo se tornar a maior plataforma de futebol do mundo, onde o fã da modalidade possa desfrutar de uma experiência completa de jogo, antes, durante e depois. Para tal, os primeiros acordos de OTT foram fechados na Alemanha. Como mercado mais forte, ter torneios ao vivo no Brasil era um passo natural. No caso alemão, pesou o bom relacionamento mantido com a DFL (Liga Alemã de Futebol).

“A Bundesliga chegou antes a partir de uma relação que já tínhamos com a DFL. Na minha percepção, a entidade viu que o torneio havia perdido espaço no Brasil. A fragmentação de direitos de transmissão no país é meio caótica. Isso é ruim para o consumidor. Você não sabe onde assistir, se vai passar na tv aberta ou fechada. Do nosso lado, a negociação correu muito bem e por isso a Bundesliga foi a primeira”, contou. Ainda segundo a Joana, de 250 a 300 mil usuários ativos mensais seguiam a liga alemã na versão brasileira do aplicativo. Após o anúncio, 50 mil novos foram adicionados.

Com o futebol francês foi diferente. Por conta da pandemia, a DAZN, em crise, optou por rescindir seu acordo de transmissão da Ligue 1. Nesta brecha, o OneFootball aproveitou a oportunidade ciente da legião de brasileiros que o torneio carrega, com destaque ao mais midiático e popular de todos: Neymar.

“A Ligue 1 foi uma oportunidade que vimos e fechamos o acordo em cima da hora. A temporada já tinha começado, não foi como foi com a Bundesliga, que oferecemos desde o primeiro jogo. A elite francesa é ainda mais interessante pra gente, já que tem o nosso maior jogador (Neymar), que inclusive é o maior ídolo da garotada que tem o OneFootball”, disse Joana, destacando também a dificuldade de se negociar com stakeholders brasileiros por ser uma empresa europeia.