Coluna

“A importância de me manter conectado”, por Richarlison

22 fev, 2021
Everton FC
Blog oficial do Everton Football Club
Ver mais artigos deste clube

Estou muito feliz em ser o primeiro a escrever para este blog exclusivo do Everton, meu time, aqui no MKT Esportivo.

Nos próximos meses, provavelmente você vai aprender mais sobre este grande clube e também vai conhecer pessoas interessantes que trabalham aqui para entender o que significa representar o Everton dentro e fora do campo.

Eu vou começar falando sobre o que está acontecendo fora do campo e como esses eventos mundiais podem nos impactar como jogadores – especialmente aqueles que moram distante dos seus países, como é o meu caso.

Se tem alguma coisa que eu aprendi nesses últimos onze meses de pandemia foi a importância de me manter conectado.

Ficar conectado faz nos sentirmos bem, nos permitem compartilhar problemas, termos empatia pelos outros e aprendermos. Aprender muito! É por meio dessa conexão que podemos começar a entender como os outros experimentam o mundo.

Nesses últimos tempos, me mantenho conectado com o que está acontecendo aí no Brasil, minha casa. Tenho falado com meus amigos e familiares regularmente, conversado com meus seguidores nas mídias sociais e acompanhado as notícias todos os dias.

Tenho visto notícias e fotos. Principalmente as de Manaus e sobre a nova cepa desse vírus que está afetando meu país e nosso povo. As fotos são horríveis e difíceis de assistir!

Os médicos, as enfermeiras, as equipes de saúde, os cuidadores e os funcionários dos hospitais são verdadeiros heróis! Eles fazem um trabalho incrível para manter as pessoas seguras.

Tive orgulho de poder me juntar a outras pessoas que ajudaram no fornecimento dos tão necessários cilindros de oxigênio para Manaus, mas sei que a situação precisa de mais do que posso dar. Não sou médico e nem político, mas prometo que continuarei fazendo minha parte daqui!

Este ano, tenho o orgulho de continuar na minha função de embaixador para arrecadação de fundos para os estudos da Universidade de São Paulo sobre esse vírus.

Espero de verdade que quando o verão chegar aqui na Inglaterra e essa temporada terminar com sucesso, as coisas tenham melhorado para que eu possa estar aí no Brasil fazer a minha parte e ajudar um pouco nessa recuperação.

Por falar em ir ao Brasil, adoro as peladas em Nova Veneza e mal posso esperar para chegar e estar pessoalmente com meus amigos, minha família e todo mundo mais que sempre adoro encontrar. Estou ansioso esperando por esses dias!

Mas até eu voltar pro Brasil, tenho a sorte de ter essa conexão tão forte com meu time e com meus companheiros aqui no Everton. Esse vínculo é muito importante para mim!

Quando cheguei aqui em 2018, eles me ajudaram e eu me senti em casa imediatamente. Aqui tem muitos jogadores de outros países e, por isso, a gente se ajuda quando não podemos voltar para casa e estarmos com nossos amigos e nossa família.

Além deles, os torcedores do Everton também são incríveis! O apoio que eles têm me dado nas redes sociais é incrível e isso realmente nos ajuda a manter esse senso de união e comunidade no time.

Recentemente tivemos a permissão do governo para que alguns torcedores pudessem voltar a frequentar os estádios. Foi muito legal! Mas com o terceiro lockdown no iniciozinho do ano que está em vigor até agora, proibiu novamente.

Aqui no Everton, seguimos protocolos rígidos e evitamos contatos desnecessários, o que significa que não conseguir interagir com nossos torcedores pessoalmente. Mas, apesar do estádios vazios, ainda sentimos o apoio deles em todo o mundo e isso significa demais pra gente!. É por isso que eu adoro me conectar com eles nas redes sociais. São muitos! Do mundo inteiro! Eu fico vendo os vídeos e memes que eles mandam. São muito engraçados! Eu também fico salvando as fotos das pessoas que copiam o corte de cabelo do Ronaldo e me mandam! Eu fiz também no verão!

Eu sei que o pessoal do Everton tem feito de tudo para manter nossos torcedores conectados. Eles fazem umas reuniões online gratuitas que se chamam ‘Fan Friday’ com encontros com ex-jogadores históricos do nosso time como Neville Southall, por exemplo. Também rolam umas ações com a preparação para as partidas que permitem que nossos torcedores mundo afora mantenham essa união.

Quero, inclusive, convidar os nossos torcedores aí no Brasil para que dêem se juntem a nós e participem dessas ações! Todo mundo aqui está trabalhando duro para que nossos torcedores de todo o planeta estejam mais perto da gente. A ideia é continuar a construir esse relacionamento com nosso time e entre vocês mesmos.

Desde o início do lockdown, todos os funcionários do clube, jogadores e até mesmo o Carlo Ancelotti (nosso treinador) e o presidente Bill Kenwright têm telefonado para nossos torcedores que podem estar em situações de vulnerabilidade ou solitários. A gente liga para eles e tenta elevar o ânimo deles. As respostas que temos tido para essas ligações são maravilhosas. Dá orgulho de ver! Tudo isso faz parte da campanha “Everton’s Blue Family” que começou no primeiro lockdown em Março de 2020.

Com a notícia do terceiro lockdown aqui no Reino Unido, o Everton intensificou os esforços nisso mais uma vez e também passou a distribuir cestas básicas e oferecer apoio para a saúde mental das pessoas. O clube deixa claro que está aqui para oferecer apoio aos seus torcedores e para quem também não torce pra gente também! Todo mundo merece esse apoio nesse momento e eu tenho orgulho em fazer parte e representar o Clube do Povo.

Durante esse período de confinamento aqui, tenho aprendido por conta própria o inglês e acho que estou melhorando. Para vocês terem uma ideia, Liverpool tem muitas palavras e frases próprias que não se encontram nos livros!

Quem me ensina essas gírias são alguns amigos da equipe como Tom Davies e a galera da USM Finch Farm que eu encontro todos os dias. Eles explicam essas gírias. Algumas são meio engraçadas e outras são até rudes demais. O que eu preciso fazer mesmo é acertar o sotaque! Vou dar um exemplo pra vocês: as pessoas aqui de Liverpool são chamadas de “Scousers”. Esse nome vem de um prato local que é um ensopado de cordeiro e legumes. De vez em quando eles colocam esse prato no cardápio da USM Finch Farm e até é gostoso, mas é muito diferente da nossa feijoada.

Outra coisa que tenho feito bastante aqui durante esse período da pandemia é assistir o Big Brother Brasil!

Assisti no ano passado e estou vendo de novo! Sou muito fã! É um negócio muito maneiro! Especialmente quando fica perto de acabar e prestes a ter um vencedor. É emocionante!

Esses dias a conta do Everton em português no Twitter inclusive publicou uma foto minha como um dos novos integrantes da casa. Eu ri demais e até dei RT e disse que eu ganharia, mas não sei que tipo de colega dentro da casa eu teria, mas sei que sentiria muita falta dos meus cachorros!

Não sou um ótimo cozinheiro também! Então eu teria que deixar essa missão para outra pessoa da casa. Além disso, eu gosto de manter os ligares limpos e organizados e, por isso, não sei como iria lidar com muitas pessoas e com coisas espalhadas pela casa.

Por outro lado, eu gosto de uma boa pegadinha e de cantar junto. Acho que vocês devem ter visto no meu Instagram recentemente, né?! Adoro animar as pessoas e deixá-las felizes. Isso poderia ser uma coisa que contaria a meu favor.

Por tudo isso, as mídias sociais são muito importantes para mim! Desde passar o tempo me divertindo com o Big Brother quando fico acompanhando as atualizações em tempo real sobre o que está acontecendo na casa e até os tristes relatos sobre o que está acontecendo no Brasil nessa luta contra a pandemia.

Ser capaz de estar conectado e interagir com outras pessoas é muito importante para o nosso bem-estar. Ainda mais agora! É claro que as mídias sociais também têm seus lados negativos e, por isso, tento não passar muito tempo no telefone, mas ela me ajuda demais para manter contato com as pessoas que eu amo e o meu país.

Ficar conectado – seja via telefonema, Twitter, e-mail ou até mesmo uma carta escrita à mão – é a forma que começamos a entender o ponto de vista dos outros. É através dessa conexão que se gera a compreensão que podemos promover mudanças positivas em grande escala. É ela que nos faz e que nos permite defendermo-nos uns aos outros.

Prometo que vou continuar minha voz e minhas plataformas – é um privilégio tê-las! – para ajudar a fazer essas conexões importantes para compartilhar o que é bom e o que é ruim, para chamar atenção para as injustiças e o sofrimento que meu povo está passando, mas também para defender e aumentar a conscientização de como todos nós podemos juntos defendermos uns aos outros agora, durante a pandemia, e depois dela.

Obrigado por ler tudo isso que escrevi e espero voltar a escrever novamente em breve!

Richarlison