Coluna

Copa do Nordeste: uma temporada inesquecível

15 abr, 2021
Mauricio Portela
Diretor da LiveMode
Ver mais artigos deste autor

Na TV Aberta a Copa do Nordeste coloca o SBT em primeiro lugar em audiência, superando a concorrência todas as semanas nas principais cidades da Região. Na TV Paga, a liderança fica com a FoxSports, toda vez que coloca a Lampions no ar. Nas redes sociais, é a competição que mais tem engajamento no país. O OTT é o mais moderno e mais completo que uma competição possui. Ainda no mundo digital, foi pioneira na Twitch no país e colocou o TikTok no mapa das transmissões, no mundo. E ainda tem muito mais. Você quer saber como a Copa do Nordeste virou a competição referência no Brasil? Vou tentar explicar.

É difícil selecionar um aspecto apenas numa competição que testa muito, arrisca bastante, entrega tanta novidade em tão pouco tempo e define claramente seus pilares: orgulho, excelência e inovação. A fase final nem começou e a maior competição regional do mundo já rendeu as mais variadas manchetes.

Com pioneirismo em transmissão, TikTok e Copa do Nordeste oficializam parceria”. Isso foi publicado aqui no MKT Esportivo, seguido da explicação: “Torneio será o primeiro do mundo a transmitir uma partida ao vivo dentro da plataforma e TikTok será mais um patrocinador da competição”. A notícia foi reproduzida nos mais variados veículos em diversas editorias e em muitos idiomas. Não é pouco. E não é só isso.

O colunista e comentarista Paulo Vinícius Coelho deu os argumentos palpáveis ao observar o ótimo nível técnico da competição, em coluna publicada recentemente. Lembrou que é a competição com mais clubes nas Séries A e B do futebol Brasileiro (são 9 clubes no total: 4 na A e 5 na B). E ainda que haja oito jogos simultâneos com todo mundo no páreo e jogo valendo até os acréscimos, ainda que tenha gol do meio campo, viradas históricas, clássicos inesquecíveis e gols de bicicleta, é fora de campo que a temporada vai ficar marcada de maneira exemplar: a união dos clubes e a decisão de negociar seus direitos centralizados na Liga do Nordeste gerou resultados e experiências que nenhuma outra competição tinha sido capaz de alcançar no Brasil até hoje.

Há vinte temporadas, a Copa do Nordeste estreou o modelo que foi repetido pela Libertadores e, mais recentemente, pelo Carioca: empacotar o campeonato como um produto comercial e fatiar os seus direitos, olhando para os mais variados formatos de transmissão. A liberdade e a confiança que esse modelo traz abre a possibilidade de o torcedor transitar em caminhos tradicionais – como as partidas campeãs de audiência transmitidas pelo SBT e pela FoxSports na TV Aberta e Fechada – e para o show de irreverência conquistado na Twitch.

Abro um novo parágrafo para explicar o que muitos consideraram loucura, mas a união dos clubes em torno da Copa do Nordeste permitiu mais um teste que fez muita gente se divertir. Todos os jogos já são transmitidos no NordesteFC Sportingbet, a primeira plataforma de streaming de uma competição do mundo a comercializar naming rights. Mas a paixão do torcedor nordestino merecia um passo a mais de ousadia. Não resisto em reproduzir outra manchete do MKT Esportivo que repercutiu nacionalmente: “Copa do Nordeste confirma tendência inovadora e terá narração na Twitch”. Foram criados canais voltados para cada clube na plataforma da Amazon e, ali, o ambiente foi comandado pelos streamers. Cada um pode fazer a transmissão que achar mais adequada para aquele momento do seu clube e da sua torcida, se divertindo, comemorando e acolhendo uns aos outros. Tem os que narram, os que reagem, os que secam, os que chamam os amigos, os que convidam o pai. Quem quiser ver uma transmissão torcedora, irreverente, completamente fora dos padrões tem ali um lugar cativo. Inclusive a La Liga espanhola repetiu o modelo pioneiro da Copa do Nordeste e passou clássico basco na Twitch na semana passada.

Assim como quem quiser assistir no sofá da sala, numa transmissão emocionante, mas imparcial, pode assinar o Pay per view da Sky e da Claro, o primeiro produto de assinatura de uma competição brasileira nas operadoras. Essa oferta, aliás, dominou as campanhas publicitárias da Claro e da Sky na região e foi ferramenta fundamental para manutenção e aquisição de clientes destas empresas.

Como ninguém quer ficar fora da Lampions, o amplo engajamento nas principais redes sociais (brigando pela liderança no Instagram com o Brasileirão) atraiu a novata Kwai. A nova rede, mal estreou no Brasil e já tem na Copa do Nordeste o primeiro parceiro no futebol do país, incentivando diversos conteúdos da competição.

O mercado publicitário, que sempre teve grandes marcas associadas à Lampions, entendeu que a oportunidade nesse gramado só aumenta. A união dos clubes e a centralização da negociação dos direitos comerciais, inclusive dos patrocínios, traz novamente muito valor para a competição e, novamente, vira tema para os leitores do MKT Esportivo: “Copa do Nordeste inicia sua edição mais forte no âmbito comercial” e acrescenta: “Torneio renovou aportes, fechou acordos e terá novas entregas em suas transmissões”. A Copa do Nordeste não só vende suas propriedades de arena mais tradicionais, mas também constrói projetos únicos para as marcas, com entregas nas redes sociais e nas suas transmissões em diversas plataformas, de maneira entrosada e customizada. Dezessete marcas patrocinam a Lampions: Brahma, Nivea Men, SportingBet, TikTok, Assaí, Suggar, Gin Gordon’s, Topper, Whisky Black&White, Digi+, Pitu, Krona, Assaí, Ale, Multilaser, Umbro e Uniasselvi.

Não é à toa que o sentimento principal de quem joga, assiste, torce e realiza a Copa do Nordeste é o orgulho de mostrar para todo o futebol brasileiro que, quando os clubes trabalham juntos, usam o poder das transmissões ao vivo, do engajamento do seu público, e aprendem com modelos das grandes ligas do mundo, o mercado vem junto e investe pesado. Mesmo num ano tão difícil. Num ambiente tão complicado. O futebol praticado na Região Nordeste expande suas fronteiras e faz o Brasil virar o pescoço para admirar e, por que não, aplaudir.