Futebol

Federação Alemã se posiciona contra a criação da Super League

Entidade destaca que interesses comerciais de poucos clubes não devem levar à abolição da solidariedade e da união do futebol

19 abr, 2021

A Federação Alemã de Futebol (DFB) se posicionou contra a criação da Super League. O posicionamento adotado segue o mesmo de Premier League e LaLiga.

“A Federação Alemã de Futebol (DFB) toma uma posição clara contra o conceito de uma Super Liga Europeia. O futebol deve ser sempre uma questão de desempenho em campo; ele decide a promoção e o rebaixamento, assim como a qualificação para as respectivas competições. Os interesses comerciais de alguns poucos clubes não devem levar à abolição da solidariedade e da união do futebol há muito estabelecida. Cada clube deve decidir se quer continuar fazendo parte da estrutura geral harmoniosa e organizada do futebol ou seguir seus interesses egoístas longe da UEFA e das federações nacionais de futebol”, destacou a federação em seu comunicado.

Sobre a Super League, ela contará com 20 clubes divididos em 2 grupos de 10 times. A ideia dos 12 clubes fundadores é, assim que possível, criar também a Super League feminina. Estão confirmados o Atlético de Madrid, Barcelona e Real Madrid; dos italianos Internazionale de Milão, Juventus e Milan; e os ingleses Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham. Os doze times estão entre os 20 de maior receita no futebol mundial.

Abaixo, o comunicado oficial:

O futebol alemão – a Liga Deutsche Fußball (DFL) e a Federação Alemã de Futebol (DFB) – está chocado com a fundação de uma Superliga.

Somos solidários com a UEFA e seu presidente Aleksander Ceferin. Ao mesmo tempo, apoiamos todas as contramedidas sinalizadas pela FIFA, pela UEFA e pelas Ligas e Federações nacionais afetadas. Além disso, estamos cientes de que isto também pode afetar a seleção dos jogadores da Seleção Alemã que são atuando em tais clubes da Superliga.

O futuro do futebol está em jogo. Esta mudança é diferente de qualquer outra que já vimos antes. Não devemos permitir que os interesses financeiros de alguns clubes de ponta da Inglaterra, Itália e Espanha destruam estruturas bem estabelecidas. O futebol na Europa prospera com o fato de que é teoricamente possível a cada clube competir com os melhores do continente em uma única competição. Este sonho não deve ser substituído por um negócio fechado.

As ligas nacionais são a base do futebol profissional, sua popularidade e seu apelo em toda a sociedade. É irresponsável e inaceitável pôr em risco a colaboração que tem surgido ao longo dos anos. Esta colaboração é o que também permitiu que os principais clubes crescessem nas últimas décadas. A grande maioria dos clubes, ligas e associações europeias concorda conosco. Os torcedores de toda a Europa também estão se manifestando.

Neste contexto, a aprovação unânime do Comitê Executivo da UEFA da reforma planejada das competições europeias de clubes foi a coisa certa a fazer hoje. Esta reforma foi uma oferta aos principais clubes para se unirem sob o guarda-chuva compartilhado da UEFA, afinal – o que é um compromisso doloroso em algumas áreas. Entretanto, esta oferta foi rejeitada, e a motivação é óbvia.

O futebol – em qualquer nível – sempre foi forte quando encontrou soluções em conjunto. Mais do que nunca, a DFL e a DFB farão campanha por isso com todos os meios à sua disposição. Especialmente à luz da crise global do coronavírus, é claro o que o futebol deve representar: solidariedade, não egoísmo.