Coluna

Fórmula 1: uma estreia promissora

2 abr, 2021
Álvaro Cotta
Diretor de Marketing e Comercial do NBB
Ver mais artigos deste autor

No domingo, 28 de março, a F1 começou um novo ciclo no Brasil. As provas terão transmissão ao vivo na Band TV e os treinos cobertura completa no Band Sports.

Nos últimos anos, a F1 tinha perdido atratividade e interesse. Talvez pela pouca competitividade entre os pilotos e as equipes, ou, talvez pelo desgaste nas coberturas e nas histórias das corridas (seja ao vivo ou gravado).

Para alguns, o Netflix despertou novamente a curiosidade. A série Dirigir para Viver conseguiu revelar as complexidades e as rivalidades da categoria com histórias humanizadas de seus principais personagens (pilotos e executivos das equipes).

A estreia da F1 na Band registrou bons resultados de audiência para a emissora (média de 5,1 pts), colocando-a próxima da Record e do SBT (uma grande conquista). A emoção da corrida e a novidade da estreia da Band podem ter ajudado os números, mas o planejamento da emissora foi bem executado com táticas importantes:

– Promoção do produto em diversas plataformas (na própria Band TV, no Band Sports, na Rádio Bandnews, nos sites e portais do grupo e nas redes sociais);

– Divulgação em veículos de imprensa e na mídia especializada;

– Conteúdos em redes sociais, convidados especiais e influenciadores;

– Contratação da, provavelmente, equipe mais qualificada e experiente para exibir o evento (Sérgio Maurício, Reginaldo Leme, Mariana Becker);

Apesar do início promissor, a Band terá desafios com a variação dos horários das provas, com a ausência de ídolos nacionais e com o baixo envolvimento com os fãs de automobilismo. Para este último ponto, a chegada da Stock Car na Band será um ponto positivo e dará sustentação para a relação do canal com a comunidade do esporte.

A Globo, provavelmente, continuará sua liderança na audiência na maioria dos horários na TV brasileira. Não há como medir, no curto prazo, o afastamento do grupo dos conteúdos esportivos internacionais e nacionais. A distribuição dos eventos entre várias emissoras pode ser, se bem trabalhada, um fortalecimento do esporte a médio e longo prazo.

O exemplo da F1 na Band mostrou que não basta colocar o conteúdo esportivo ao vivo na grade. A humildade da emissora para trazer profissionais especializados na cobertura da F1 foi uma vitória. Espero que a Stock Car, e outros eventos esportivos, tenham o mesmo tratamento e a mesma atenção na emissora.