Indústria

Fortaleza quer alcançar 15 mil sócios até a estreia do Brasileiro

Com ações durante a pandemia, clube já conquistou 6 mil novos inscritos nos últimos 30 dias

Fortaleza quer alcançar 15 mil sócios até a estreia do Brasileiro

25 de maio de 2021

2 minutos de Leitura

O Fortaleza intensificou nesta semana mais um desafio para aderir sócios-torcedores. O objetivo é atingir 15 mil inscritos até dia 30 de maio, data da estreia da equipe no Campeonato Brasileiro, diante do Atlético-MG, fora de casa. Caso a marca seja alcançada, os associados serão beneficiados com desconto exclusivo na camisa ‘Tradição 2020’ da seleção, que ficará à venda por R$ 99,90. Para os não sócios, o uniforme está disponível por R$ 149,90. No momento, faltam pouco mais de 3 mil para alcançar a meta do desafio.

Durante toda a pandemia, o Leão preocupou-se em fazer descontos e promover ações que conseguissem manter os sócios ativos no programa. Apesar de uma queda brusca em 2020, fato este que aconteceu com todas as agremiações da Série A, nos últimos 30 dias o clube conseguiu um aumento de cerca de 5 novos mil sócios – saltando de 7 mil para os atuais 12.446.

Após a chegada do técnico argentino Juan Pablo Vojvoda, o presidente Marcelo Paz também fez campanha nas redes sociais para que o torcedor ajudasse o clube a voltar ou permanecer no programa de sócio-torcedor.

“Quero atingir rapidamente esse número de 15 mil sócios-torcedores. Acho que temos condições para isso, temos público para isso, temos uma torcida apaixonada, e o momento é de retomada, de esperança, de acreditar para a gente fazer um grande ano”, afirma o presidente Marcelo Paz.

Em razão da pandemia e perda de receitas com a falta de público nos estádios, o Fortaleza estimou uma redução de R$ 19 milhões no valor projetado para o orçamento de 2021, passando de R$ 113,70 milhões diminuiu para R$ 94,64 milhões. No programa de sócio-torcedor, o prejuízo está projetado para algo em torno de R$ 10 milhões.

“Nós temos de entender essa sensibilidade. Ficou muito claro esse anseio da torcida em querer ajudar, e isso passava por um plano barato, um plano popular. Desenvolvemos um plano mais acessível, que vai possibilitar que muita gente volte a contribuir e ter os benefícios”, completa Marcelo Paz.

Compartilhe