Atletas

Naomi Osaka não dará entrevistas em Roland Garros

De acordo com a tenista, sua decisão se baseia na saúde mental dos atletas

27 maio, 2021

Número dois do ranking da WTA, Naomi Osaka anunciou que não participará de entrevistas coletivas durante Roland Garros, que começa no próximo domingo. De acordo com a tenista, sua decisão se baseia na saúde mental dos atletas.

Osaka lembrou momentos que jogadores ficam em situações muito desconfortáveis nas salas de imprensa, especialmente depois das derrotas. Ela também diz que não gostaria de se submeter a pessoas que, eventualmente, duvidem dela. Ciente que pode ser multada pelo seu posicionamento, Osaka deixou claro que aceitará a punição e que gostaria que o dinheiro fosse revertido para caridade.

“Olá a todos, espero que todos estejam bem, estou escrevendo isso para dizer que não vou dar nenhuma entrevista coletiva durante Roland Garros. Muitas vezes senti que as pessoas não se importam com a saúde mental dos atletas e isso soa muito verdadeiro sempre que vejo uma coletiva de imprensa ou participo de uma. Frequentemente nos sentamos lá e recebemos perguntas que já foram feitas várias vezes antes ou perguntas que colocam dúvidas em nossas mentes e eu simplesmente não vou me sujeitar a pessoas que duvidam de mim. Assisti a muitos clipes de atletas arrasados na sala de imprensa depois de uma derrota e sei que vocês também. Acredito que essa situação é como chutar uma pessoa enquanto ela está caída e não entendo o motivo por trás disso”, divulgou Osaka em suas redes sociais.

Na publicação, a tenista divulgou também dois vídeos com situações que embasam o seu posicionamento. Um deles destaca Richard Williams, pai das irmãs Serena e Venus, gritando com um jornalista que entrevistava Venus e perguntava sobre os motivos de sua enorme autoconfiança. Já o outro envolve Marshawn Lynch, que quando atuava pelo Seattle Seahawks (NFL), compareceu ao evento do Super Bowl que reúne jornalistas apenas para não ser multado pela liga.

“Não dar entrevistas não é nada pessoal contra a organização do torneio ou contra alguns jornalistas me entrevistaram desde que eu era jovem, e que eu tenho um relacionamento amigável com a maioria deles. No entanto, se as organizações pensam que podem simplesmente continuar dizendo, “dê a entrevista ou você será multada”, e continuar a ignorar a saúde mental dos atletas que são a peça central de sua cooperação, então só tenho que rir. De qualquer forma, espero que o valor considerável que for multada por isso vá para uma instituição de caridade que cuide da saúde mental”, comentou a carta da tenista.