Indústria

Real Madrid, Barcelona e Juventus criticam pressão da Uefa contra a Superliga

Trio ainda busca um diálogo aberto com a entidade a respeito da criação de um novo torneio

Real Madrid, Barcelona e Juventus criticam pressão da Uefa contra a Superliga

10 de maio de 2021

2 minutos de Leitura

Únicos que ainda permanecem no projeto Superliga, Real Madrid, Barcelona e Juventus emitiram uma declaração conjunta após a UEFA ameaçar impor sanções contra eles.

Além de denunciar as pressões e ameaças, o trio ainda busca um diálogo aberto sobre a Superliga e dizem, a respeito dos nove clubes fundadores que abandonaram o projeto, que “lamentam profundamente que nossos amigos e sócios fundadores do projeto Superliga estejam imersos em uma posição incoerente – e inconsistente – depois de assumir alguns compromissos com a Uefa ontem.” Os clubes também escreveram que “iriam incorrer em grande irresponsabilidade se desistissem do projeto”.

“Reiteramos à Fifa, Uefa e a todos os jogadores de futebol, o nosso compromisso e vontade de discutir, com o devido respeito, sem quaisquer pressões intoleráveis, as soluções mais adequadas para a sustentabilidade de toda a família do futebol”, destacou o comunicado.

Na tarde da última sexta-feira (7), o presidente da Uefa, Aleksandar Ceferin, deu uma declaração onde afirma que a entidade aceitou as “desculpas” dos times que se arrependeram de participar da Superliga.

“Aceitando os seus compromissos e a vontade de reparar os danos que causaram, a Uefa quer deixar este capítulo no passado e seguir em frente com um espírito positivo”, comentou o mandatário. Juventus, Real e Barcelona foram os únicos dos 12 fundadores que não renunciaram à Superliga, razão pela qual foram citados de forma particular no comunicado da entidade.

Manchester City, PSG, Chelsea, Manchester United, Tottenham, Arsenal, Milan, Inter e Liverpool já deixaram a Superliga de maneira oficial.

Compartilhe