Coluna

Com Ted Lasso, Apple Tv+ vira plataforma de promoção de produtos Apple

15 set, 2021
Eduardo Esteves
Diretor Executivo do MKTEsportivo
Ver mais artigos deste autor

Mesmo que você não esteja familiarizado com o mercado de plataformas de streaming, não é difícil imaginar que a Apple TV + é um serviço da Apple, escrito, produzido e desenvolvido pela própria empresa e diversos parceiros de mídia. Desta maneira, torna-se absolutamente natural que os conteúdos, seja filmes ou séries, estejam repletos de produtos da Apple.

Um recente levantamento feito pelo The Wall Street Journal, que assistiu cerca de 74 episódios de programas da ‌Apple TV +, incluindo os badalados Ted Lasso, The Morning Show, Defending Jacob e Trying, apontou que as colocações de produtos da Apple são feitas em episódios específicos, que possam ter mais destaque perante o público que é fã de determinada série.

De acordo com o relatório, nestes 74 episódios, foram destacados 300 iPhones, 120 MacBooks e 40 pares de AirPods. Isso equivale a mais de 700 inserções de produtos da Apple. Focando em esporte, em um episódio de Ted Lasso, um total de 36 produtos da empresa foram mostrados em primeiro plano ou mesmo sendo utilizados ​​por personagens que compunham a cena.

Em várias cenas de Ted Lasso, os personagens dizem que farão ligações por FaceTime, ou mesmo Ted, interpretado pelo ator Jason Sudeikis, diz que compraria algumas ações da Apple. Para muitos, a Apple utiliza o seu portfólio no streaming para fazer promoção de seus produtos, usando a popularidade e o enredo de seus programas para reforçar a imagem de sua marca.

Sobre a série, o ponto de partida da história é a chegada do treinador Ted Lasso ao futebol inglês para treinar o AFC Richmond. O grande problema é que toda a experiência de treinador de Lasso é com o futebol americano, no Kansas, o que causa polêmica entre os torcedores e a imprensa local. Ao todo, são duas temporadas disponíveis aqui.

De olho no futuro, segundo o The Information, a Apple estaria disposta a investir mais de US$ 500 milhões no marketing do serviço de streaming no ano que vem, com o ritmo de novos lançamentos de TV e filmes subindo para pelo menos um por semana.

Mesmo com o elevado budget de comunicação, certamente os produtos seguirão inseridos dentro dos conteúdos. E ela está 100% no seu direito.