Coluna

Os primeiros passos em direção a uma nova e espetacular casa

27 set, 2021
Everton FC
Blog oficial do Everton Football Club
Ver mais artigos deste clube

Por Colin Chong, Diretor de Desenvolvimento do Estádio

Muitas vezes sou questionado sobre a construção de estádios de futebol e como esse processo se dá. A verdade é que todos eles são únicos e com suas complexidades. São diferentes uns dos outros e dependem de localização, tamanho e a complexidade de seu design.

As docas de Bramley-Moore, localização de nossa nova casa, oferece uma série de desafios únicos como sua localização e terreno e, por sua complexidade, estamos trabalhando com alguns dos mais brilhantes arquitetos durante os estágios de conceito do projeto e arquitetura paisagística.Junto com Laing O’Rourke, nosso parceiro na construção, sentimos que temos em mãos não somente um plano, mas, um projeto que se encaixa perfeitamente aos nossos objetivos.

Em Julho, o primeiro passo foi dado na doca de Bramley-Moore para que essas obras de adaptação iniciassem. Com isso, iniciamos um processo de construção que é composto por 12 estágios e que irei contar um pouco mais detalhadamente aqui.

Espero que isso retrate fidedignamente a jornada que temos pela frente em nosso novo estádio!

É um momento emocionante e conforme essas etapas forem sendo ultrapassadas, iremos nos aproximar de um jogo em nossa nova casa.

Etapa 1Habilitação das obras e preenchimento da doca

Eis onde estamos: o primeiro passo na construção.

Em parceria com Laing O’Rourke, nosso parceiro na construção, estamos implementando instalações de bem-estar necessárias para a equipe que trabalha e vai trabalhar no local. Ao mesmo tempo, estamos a reparar e preservar a parede do cais listado como Grau II e, também, estamos a estabilizar uma torre hidráulica que fica naquela região.

Paralelamente a isso, equipes de mergulhadores especializados têm feito inspeções na doca a procura por dispositivos não detonados da Segunda Guerra Mundial enquanto nos preparamos para o processo de enchimento da doca.

Além disso, a demolição de estruturas que não foram listadas no projeto para permanecerem já foi iniciada. Incluem-se aí dois edifícios que funcionavam como depósito no local e que se encontravam em ruínas.

A tubulação industrial já foi entregue e instalada. Cerca de meio milhão de metros cúbicos de areia serão colhidos no rio Mersey e usados ​​durante o processo de enchimento. Essa areia vai preencher a localização enquanto a água é bombeada.

Como em todas as fases da construção, estaremos executando o enchimento da doca da forma mais ecológica e sustentável possível, com a utilização de uma metodologia que nos dará a opção – se for necessário – em reverter o processo de construção e fazer a devolução do cais ao seu estado original em um futuro distante.

Nessas últimas semanas, também estabelecemos habitats para aves marinhas, como corvos-marinhos em jangadas na doca adjacente de Nelson. Fico feliz em poder dizer que as jangadas estão sendo usadas pelos pássaros, o que se tornou um resultado fantástico para todos os envolvidos no projeto.

Etapa 2Subestrutura e empilhamento

Nessa etapa,  iremos concluir a descontaminação do terreno e iremos nos preparar para fincar as bases de nossa nova casa.

Aqui será necessário muito cuidado e atenção na colocação das subestruturas e estacas, tudo com o objetivo de proteger o local.

Nosso layout de estacas é projetado para evitar afetar as paredes do cais, evitando, portanto, qualquer dano aos ativos listados.

A forma como estamos construindo o estádio garantirá que as paredes do cais sejam preservadas e, caso o clube decida se mudar para um outro estádio em um futuro distante, o local poderá ser submetido a engenharia reversa de volta para um cais.

Nesse ponto da construção, também começaremos a estruturar estradas provisórias na região para a proteção de todos os bens patrimoniais da região. Elas serão aumentadas em cerca de um metro e controlarão a trajetória do tráfego de construção no local.

Etapa 3Obras de concreto da superestrutura

Será nesta etapa em que começaremos a ver a estrutura do estádio saindo do solo.

Pretendemos minimizar a quantidade de obras de concreto de superestrutura in-situ. Isso reduzirá o impacto do clima adverso e os riscos de saúde e segurança apresentados aos trabalhadores.

Vamos instalar uma câmera que vai nos proporcionar uma interessante visualização deste estágio em diante, conforme o estádio for tomando sua forma.

Etapa 4Estruturas de aço e terraços pré-moldados

À medida que a estrutura do estádio for se formando, solidificaremos essa estrutura por meio das siderúrgicas. Os terraços pré-fabricados serão montados em cada estande.

Aqui será aplicada uma inovadora metodologia de construção chamada “Design for Manufacture and Assembly (DfMA)“.

As unidades de terraço serão um pacote de obras fabricadas externamente e transportadas para a doca de Bramley-Moore já prontas para a instalação.

O DfMA oferece inúmeras vantagens para o processo e programa de construção, incluindo melhorias na qualidade de construção, redução do risco de saúde e segurança para a equipe no local além da criação de uma abordagem de construção mais sustentável, reduzindo o desperdício e o transporte de matérias-primas.

Etapa 5 – Estrutura metálica do telhado

A siderúrgica ajudará a formar a base sólida necessária para o telhado.

O telhado será uma assinatura deste estádio e foi projetado para emular os elementos de engenharia industrial das docas e também refletir sua história.

Etapa 6 – Cobertura do estádio e revestimento

Esta etapa permitirá uma primeira clara visão de como será o estádio em sua estrutura completa.

Os materiais que usaremos foram selecionados para suportar as condições ambientais adversas que o local oferece. Especialmente ventos fortes e chuva.

O sistema de cobertura foi projetado em forma cassete. O objetivo foi de reduzir o tempo e os riscos para os operários que trabalham em altura.

Etapa 7 – Fachada

Nesta fase iremos dar os últimos retoques na parte externa do estádio.

Recebemos muitos conselhos de várias partes interessadas no projeto e em seu impacto, incluindo uma quantidade considerável de questões relacionadas aos traços históricos ingleses. O intuito é de que o estádio venha a complementar os edifícios na área circundante e não ser algo destoante.

As metodologias que estamos usando para a fabricação e instalação de fachadas nos farão reduzir nosso impacto no meio ambiente ao entregar estruturas já finalizadas no local e, com isso, gerar treinamentos aos engenheiros como parte do processo.

Durante esta fase, também iniciaremos os trabalhos de renovação da torre hidráulica classificada como Grau II, que se tornará um café e centro de exposições e uma parte central da praça em que se encontrarão os fãs e torcedores.

Etapa 8 – Montagem mecânica, elétrica e hidráulica

Enquanto a fachada estiver em processo de conclusão, uma equipe trabalhará dentro do estádio na montagem mecânica, elétrica e hidráulica.

Esta fase só pode ser feita quando a estrutura estiver completamente estanque.

Etapa 9 – O Gramado

Qualquer pessoa que conhece um jardineiro sabe como eles são cuidadosos em relação ao seu lançamento, não é?

E o que seria de um estádio de reputação internacional sem uma superfície de jogo a sua altura?

Nesta etapa, estaremos realizando os trabalhos de preparação do campo, que contará com a mais alta tecnologia disponível no mercado.

Etapa 10 – Passeio Oeste (o lado voltado para a água)

As obras externas do passeio oeste – o lado do estádio voltado para a água – darão ao empreendimento uma conexão real com o rio Mersey.

Esta parte do nosso projeto foi altamente elogiada pelos planejadores e outras partes interessadas.

Nosso objetivo é criar vistas do rio de uma praça escalonada para torcedores e visitantes em dias de jogos e não-jogos.

Como parte do nosso compromisso com o patrimônio do local, também escavaremos o canal de água para manter a conectividade visual da água com as docas adjacentes.

Esta será uma das coisas finais a serem concluídas como parte dos requisitos de logística em torno desta área.

Assim que tivermos o corpo d’água no lugar, estaremos introduzindo diversos habitats e permitindo que a natureza siga seu curso – e floresça.

Etapa 11 – Obras externas

As obras externas estão entre as últimas obras físicas que ocorrerão no local.

Isso incluirá o paisagismo de todo o local, incluindo a praça dos torcedores.

Reutilizaremos ativos patrimoniais retidos no início do projeto, incluindo paralelepípedos, postes de atracação e até as linhas ferroviárias.

Etapa 12 – Estar operacional

Finalmente a última etapa.

Será aqui que passaremos para a fase de testes e comissionamentos antes que o estádio se torne totalmente operacional.

Observaremos uma série de eventos-teste diferentes, alguns de pequena escala e outros de grande escala durante este estágio.

Para além do bom desenrolar dos eventos e das operações nos bastidores, as nossas equipes especializadas também vão analisar os esquemas de ruído e iluminação, que serão sensíveis à área local e estarão sujeitos a toque de recolher para não impactar a comunidade local.

Esses toques de recolher em dias de jogo e eventos importantes também reduzirão o impacto sobre os residentes e empresas locais. Isso, inclusive, vai ajudar na estratégia de gestão de resíduos, tanto durante quanto imediatamente após aos eventos onde vai garantir que os resíduos sejam removidos com eficiência.

Antes dos testes, serão instaladas cercas de proteção do cais e do rio para evitar que o lixo entre nos corpos d’água nas cercanias.