Indústria

Nike processa Lululemon por violação de patente envolvendo aplicativo

Foco da marca americana está no Mirror Home Gym, adquirido pela concorrente durante a pandemia

Nike processa Lululemon por violação de patente envolvendo aplicativo

06 de janeiro de 2022

2 minutos de Leitura

A Nike abriu uma ação judicial acusando a marca Lululemon de violação de patente envolvendo o aplicativo Mirror Home Gym. A marca americana afirma que, em 1983, criou e entrou com um pedido de patente em um dispositivo para determinar a velocidade de um corredor, distância percorrida, tempo e calorias gastas. Desde então, ela também lançou uma variedade de aplicativos populares, como o Nike Run Club e o Nike Training Club.

A Nike disse que detém uma série de outras patentes de equipamentos de fitness e que a Lululemon está infringindo com a venda do Mirror, um dispositivo montado na parede que orienta os usuários em uma variedade de aulas de cardio de alta intensidade e outros exercícios.

A Lululemon comprou o Mirror em 2020 por US$ 500 milhões em meio a uma corrida entre os consumidores para fazer exercícios em casa durante a pandemia. O dispositivo colocou a Lululemon em pé de igualdade com outras gigantes do setor.

Antes de entrar com o processo, a Nike disse que notificou a empresa sobre a suposta violação e que a mesma rejeitou as alegações. O processo foi aberto no tribunal federal de Manhattan. Em comunicado, a Lululemon afirma que “as patentes em questão são excessivamente amplas e inválidas”.

A Nike tem um longo histórico de processos contra outras marcas da indústria do esporte. Em 2018, a Puma também foi alvo de uma reclamação, sendo processada pela americana no Tribunal de Massachusetts por também “copiar” o FlyKnit em vários de seus modelos. Em 2016, a Skechers também foi processada pelo mesmo motivo.

Em dezembro deste ano, o alvo foi a adidas. A Nike solicitou à Comissão de Comércio Internacional dos EUA que bloqueie as importações de diversos tipos de calçados da rival que, segundo a gigante americana, infringem patentes que cobrem sua tecnologia Flyknit.

O swoosh afirma que 49 dos projetos de calçados de sua rival alemã que usam a tecnologia Primeknit são “supostamente semelhantes” e infringem seis de suas patentes. A Adidas já falhou em uma tentativa de invalidar duas das patentes da sua concorrente no Tribunal de Apelações dos EUA no ano passado.

Compartilhe