Banco do Brasil fecha patrocínio à WSL para o mercado brasileiro

No acordo, a instituição usará marca BB DVTM, empresa focada em gestão de fundos de investimentos

fevereiro 23, 2022

O Banco do Brasil é o novo patrocinador da World Surf League (WSL) para o mercado brasileiro. A instituição bancária usará a BB DVTM, empresa focada em gestão de fundos de investimentos, para ativar o aporte. A BB DTVM já patrocina alguns surfistas do país, como Tatiana Weston-Webb, Silvana Lima e Juliana dos Santos.

Com intuito de oferecer oportunidade a jovens talentos, no masculino e feminino, e proporcionar a atletas das regiões Nordeste, Sudeste e Sul do país a oportunidade de competirem em eventos de entrada, a instituição patrocinará o Circuito Banco do Brasil de Surfe, válido por três etapas do Qualifying Series 1000, e que serão disputadas em Stella Maris.

Para ajudar no propósito, patrocinará o Circuito Banco do Brasil de Surfe, presente em três etapas do Qualifying Series 1000 e que serão disputadas em Stella Maris (em Salvador, Bahia), Itamambuca (em Ubatuba, São Paulo) e Praia da Ferrugem (em Garopaba, Santa Catarina).

Além disso, a marca estará presente também na etapa brasileira do World Surf League Championship Tour, o Oi Rio Pro, que será disputado de 23 a 30 de junho, em Saquarema, no Rio de Janeiro.

“Esta parceria com a WSL e com o surfe reforça a nossa vocação de empresa que apoia o esporte brasileiro. São mais de 30 anos de atuação junto a diversas modalidades e atletas. Podemos, inclusive, citar o patrocínio ao vôlei brasileiro como um caso de sucesso, pela longevidade e resultados obtidos. Agora, participando do surfe, temos uma nova oportunidade para ajudar a desenvolver a modalidade no país e, ainda mais importante, contribuir para o surgimento de novos talentos, de novos campeões, de novos ídolos“, disse Fausto Ribeiro, presidente do Banco do Brasil.

“O Banco do Brasil foi reconhecidamente responsável pelo apoio e desenvolvimento de outras modalidades esportivas nas quais o Brasil também é destaque no mundo. Ter a oportunidade de contar com a força e a tradição de apoio aos esportes dessa instituição é um fato histórico para a WSL. Certamente a marca vem engrandecer os nossos eventos e, sobretudo, o investimento no Circuito Banco do Brasil de Surfe será um caminho para revelar novos talentos para o surfe brasileiro, em três regiões diferentes do país”, acrescentou Ivan Martinho, CEO da WSL na América Latina.

Além do Banco do Brasil, a World Surf League tem em seu portfólio parceiros como Oi, Enel Distribuição Rio, Havaianas, Oakley, Corona, Red Bull, Australian Gold, Localiza, Unicesumar, Oakberry e 51 Ice.