Indústria

Atletas da Rússia e de Belarus são expulsos dos Jogos Paralímpicos de Pequim

Atletas de outras nacionalidades estavam propensos a boicotar o evento contra russos e bielorrussos

Atletas da Rússia e de Belarus são expulsos dos Jogos Paralímpicos de Pequim

03 de março de 2022

2 minutos de Leitura

Após uma reunião de emergência feita pelo Conselho de Administração do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês), os atletas da Rússia e de Belarus foram impedidos de competir nos Jogos Paralímpicos de Inverno de Pequim, que iniciam nesta sexta-feira (4).

Inicialmente, atletas de outras nacionalidades estavam propensos a boicotar o evento contra russos e bielorrussos. Desta maneira, o conselho do IPC seguiu a recomendação do Comitê Olímpico Internacional (COI) e decidiu cancelar as inscrições dos atletas dos dois países.

“No IPC, acreditamos firmemente que esporte e política não devem se misturar. No entanto, não por culpa própria, a guerra chegou a esses Jogos e, nos bastidores, muitos governos estão influenciando nosso querido evento. O IPC é uma organização baseada em membros, e somos receptivos às opiniões de nossas organizações-membros”, disse Andrew Parsons, presidente da entidade.

Para ele, seria inviável manter os atletas dos dois países em atuação nos Jogos sob risco de boicote de atletas de outras nacionalidades.

“Nas últimas 12 horas, um número esmagador de membros entrou em contato conosco e foram muito abertos, pelo que sou grato. Eles nos disseram que, se não reconsiderássemos nossa decisão, seria provável que teríamos graves consequências para os Jogos Paralímpicos de Inverno de Pequim 2022. Vários comitês, alguns dos quais foram contatados por seus governos, equipes e atletas, estão ameaçando não competir”, acrescentou

Parsons detalhou que, dentro da Vila dos Atletas, o clima contra competidores russos e bielorrussos estava ficando pesado.

“Garantir a segurança dos atletas é de suma importância para nós, e a situação na Vila dos Atletas está aumentando e agora se tornou insustentável. Em primeiro lugar, temos o dever de garantir e fiscalizar a organização de Jogos Paralímpicos de sucesso, para garantir que no esporte praticado no Movimento Paralímpico prevaleça o espírito de fair play, a violência seja proibida, o risco à saúde dos atletas seja gerenciado e os princípios éticos fundamentais sejam respeitados. Com isso em mente, e para preservar a integridade desses Jogos e a segurança de todos os participantes, decidimos recusar as inscrições de atletas da Rússia e de Belarus”, finalizou.

Compartilhe