Por que o Red Bull Bragantino foi a melhor opção para New Balance entrar no futebol brasileiro

Em um mercado tão competitivo, empresa acertou ao fechar com uma equipe estruturada e com mentalidade empresarial

abril 11, 2022
Eduardo Esteves

Fundador do MKTEsportivo

Na semana passada, o Red Bull Bragantino anunciou a New Balance como sua nova fornecedora de material esportivo. E a marca americana não poderia ter escolhido um clube melhor para fazer sua estreia por aqui. E não trato sobre disponibilidade contratual, mas de construção de marca e sinergia de valores.

Com um DNA de inovação e colocando o consumidor no centro de suas estratégias, a Red Bull tem um comprometimento de longo prazo único com seus projetos esportivos. E isso pode ser visto nos outros times que a empresa possui, como na Áustria, Alemanha e Estados Unidos, fora o investimento em outras modalidades, como esportes radicais e Fórmula 1.

Historicamente, a marca austríaca concentra seus esforços no público adolescente, no sentimento de pertencimento, e utiliza o esporte para impulsionar suas vendas e construir marca. Sejamos sinceros: a Red Bull não apenas atua como patrocinadora de grandes eventos e equipes. Ela auxilia seus parceiros a desenvolver as melhores estratégias e trabalhar a inovação como um diferencial, alinhando-se às novas gerações e sua cultura repleta de adrenalina.

Neste contexto, um clube com tanta tradição e simpatia do público acabou sendo uma escolha natural para fusão.

A parceria entre a empresa austríaca e o Bragantino iniciou em 2019. Dentro de campo, já foram investidos mais de R$ 100 milhões na chegada de jogadores, sempre priorizando atletas com potencial e ótimo custo benefício, em detrimento de grandes estrelas. Isso sem falar nos profissionais de ponta que atuam nos bastidores na divisão de futebol da Red Bull, que certamente trabalharão com excelência em prol das melhores entregas para a nova parceira. E vice-versa.

Já a New Balance ganha cada vez mais espaço na indústria e vive um momento especial nos seus 75 anos de história. Para o futebol, a marca americana preza por uma uma abordagem única para projetar e desenvolver produtos focados nas necessidades dos jogadores e das equipes.

A Europa foi o primeiro continente que a NB buscou para iniciar seus investimentos na modalidade. E ela rapidamente desembarcou em países tradicionais por meio de equipes igualmente tradicionais, como Itália (AS Roma), Portugal (FC Porto), Espanha (Athletic Club) e França (Lille).

Na mesma semana que fechou com o Massa Bruta, a New Balance tirou a PUMA do Al Sadd para iniciar o seu projeto de entrada no Catar, aproveitando o hype de um ano de Copa do Mundo no país.

Um time muito competitivo, vice-campeão da Sul-Americana 2021, que estreia na Libertadores em 2022 e de propriedade de uma marca líder de mercado e sinônimo de esporte. Uma empresa em expansão no setor, com um forte portfólio e com objetivo de ser reconhecida cada vez mais dentro do ecossistema boleiro.

Por esses (e tantos outros motivos), o Red Bull Bragantino foi a entrada perfeita para a New Balance no futebol brasileiro. Atualmente, a NB emprega mais de 7 mil pessoas em todo o mundo e, em 2021, registrou US$ 4.4 bilhões em vendas globais.

Ambos sonham alto e irão realizar. Torço para isso.