Forte Futebol pode aceitar Libra caso exista igualdade de receitas

Grupo deseja que o dono da maior cota ganhe apenas 3,5 vezes mais do que o de menor cota

maio 6, 2022

O “Forte Futebol”, grupo formado por América-MG, Athletico Paranaense, Atlético Goianiense, Avaí, Ceará, Coritiba, Cuiabá, Fortaleza, Goiás e Juventude, quer uma divisão mais democrática de receitas. E esse é o grande entrave para uma adesão.

O grupo quer que a diferença entre a cota mais alta de faturamento distribuída pela Libra e a mais baixa seja de 3,5 vezes.

Para os clubes, que optaram por não assinar com a Libra na reunião da última terça-feira (3), o estatuto não deixa claro que buscará uma divisão democrática de receitas. Sendo assim, a desigualmente persistirá.

Conforme já divulgado anteriormente pelo MKTEsportivo, a divisão de receitas proposta em contrato segue o 40-30-30, com 40% do valor arrecadado dividido igualmente entre os times; 30% de acordo com a performance no campeonato; e os 30% restantes envolvem critérios de média de público nos estádios, base de assinantes no streaming, seguidores nas redes sociais, audiência na TV aberta e tamanho da torcida.

Por outro lado, para o ‘Forte Futebol‘, o modelo proposto deve seguir 50-25-25, ou seja: 50% igualmente entre as equipes; 25% de acordo com a performance; e 25% por audiência.

Neste momento, Atlético-MG, Internacional e Fluminense, mesmo fora do Forte Futebol, estão mais inclinados ao pensamento do grupo. O objetivo é se aproximar de Flamengo, Corinthians, Palmeiras, Red Bull Bragantino, Santose São Paulo, que já assinaram o estatuto da Libra, para que exista uma busca por igualdade de divisão, mesmo que existe um período transitório até lá.