Para geração Z e Millennials, streaming é alternativa para consumir variedade maior de esportes

Estudo da LaLiga Tech e Nielsen buscou traçar um perfil de consumo dos mais jovens

junho 27, 2022
Eduardo Esteves

Fundador do MKTEsportivo

A geração Z e a Millennials desejam acompanhar uma variedade maior de esportes do que os mais velhos, e seus hábitos de consumo estão sendo moldados pelos celulares. Estes foram apenas dois insights de um levantamento feito pela LaLiga Tech, braço tecnológico da LaLiga, em parceria com a Nielsen.

O estudo destaca que jovens de 34 anos ou menos seguiram uma média de 6.3 esportes. Cerca de 46% preferem assistir esportes em seus smartphones, metade jogam enquanto assistem a uma partida e 41% jogam fantasy para deixar suas experiências mais completas. Cerca de 55% esperam assistir e interagir com estatísticas ao vivo durante um jogo. Neste caso, entra o desafio de cada vez mais as emissoras incorporarem dados em sua produções.

Outro ponto a ser destacado envolve o consumo over-the-top (OTT), sempre colocado como o futuro ou que irá substituir o consumo “tradicional”. No estudo, metade dos entrevistados que assinaram um streaming de esportes o fizeram enquanto assistiam na televisão linear ao mesmo tempo.

Para a LaLiga e Nielsen, isso indica que plataformas OTT são vistas como uma alternativa para assistir mais esportes simultaneamente, não como uma substituição no hábito de consumo.

Enquanto o estudo aponta que os jovens não estão menos interessados ​​no esporte e ratifica que a tecnologia é uma forma de atingir diretamente este público, ele faz um alerta que os canais devem aprender mais sobre o comportamento do espectador por meio de dados e garantir que eles tenham acesso às plataformas digitais de que precisam para acessar o conteúdo.

Assim, em prol de experiências imersivas, os fãs estão optando por consumir esportes por novos meios como opção adicional aos formatos tradicionais.

Por fim, a LaLiga Tech acredita que “o futuro do esporte depende de seus fãs”, desta maneira, “à medida que esses fãs mudam seus comportamentos, é essencial que a indústria responda”.